Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 13 de dezembro de 2018 - 11:07


Ela ficou em coma após o parto

Veja como a jovem Janaina Marques e sua família venceram as complicações de uma cesárea

A auxiliar administrativa Janaina Falco Marques, de 20 anos (foto acima), passou por uma situação bem complicada: ela engravidou aos 14 anos. Tudo correu bem durante o pré-natal. O parto dela estava marcado para o dia 24 de abril de 2013, mas seu filho, Guilherme, nasceu quatro dias antes do esperado.

Janaina se recorda daquele dia: “comecei a sentir fortes dores, fui para o hospital e passei com a médica de plantão. Como eu era muito nova, ela preferiu fazer o parto normal, para que eu não ficasse com a cicatriz da cesárea, mas não estava dando certo. Colocaram os equipamentos para ouvir os batimentos dele e estavam baixos. Fui encaminhada para fazer uma cesárea às pressas. Guilherme nasceu bem roxo, mas reagiu bem ao ser entubado”.
Segundo Rosana Reis, professora do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, casos de cesárea em adolescentes acontecem por causa da saúde física delas. “Adolescentes que engravidam com menos de 14 anos ainda não têm o corpo totalmente desenvolvido e, em razão da desproporção da bacia, a cesárea é a melhor indicação.”
Rosana diz ainda que existe a chance de as adolescentes terem bebês prematuros e até com baixo peso. “A partir do momento que a menina começa a menstruar e inicia a atividade sexual, ela pode engravidar. Mesmo com a chegada da menstruação, não quer dizer que o processo puberal acabou”, relata. A médica ainda ressalta que muitas adolescentes escondem a gravidez e com isso não fazem pré-natal corretamente, o que contribui para o elevado índice de mortalidade neonatal.

O coma
Já na sala de recuperação Janaina percebeu que estava sangrando. A médica a examinou e concluiu que o útero dela não contraiu de volta para o lugar, em função da força que ela fez na hora do parto, e isso causou uma hemorragia.
Janaina entrou em coma, sofreu um ataque cardíaco e passou por um procedimento para a retirada do útero. A jovem recebeu 26 bolsas de sangue e a família não acreditava no que estava acontecendo. “A minha mãe queria me ver, mas os médicos não deixavam. O médico dizia que eu poderia tanto acordar em dois dias como em dois meses e que minha família se apegasse à fé.”
O pai de Janaina, o empresário Gilsomar Marques, começou a ficar incomodado com o fato de a família dizer que se Deus quisesse Janaina ficaria melhor. “Aquilo me irritou. As pessoas falavam, mas não faziam nada, então fui buscar ajuda na Universal.” Na época, ele estava afastado da Igreja.
Ajuda
Gilsomar procurou o pastor, explicou o fato e foram juntos visitar Janaina. Ele começou a ungi-
la com a gota do milagre e não demorou muito para que ela melhorasse e fosse para o quarto. Depois de uma semana no hospital, Janaina recebeu alta sem nenhuma sequela. Ela passou a frequentar a Igreja e afirma que tudo que viveu serviu para que despertasse quanto à vida errada que levava e às más companhias. “Eu sabia que se eu tivesse morrido ali iria para o inferno”, declara.

Com oito meses na Igreja, ela conheceu seu atual marido, o empresário do ramo de confecções Leonardo Chaves, de 23 anos. Os jovens se casaram em abril de 2016.
Em junho deste ano, ela descobriu por meio de exames de rotina um nódulo no seio classificado como Birads estágio 4, que significa uma lesão suspeita de câncer e equivale a 20% de chance de tumor, mas era preciso uma biópsia para comprovar a malignidade ou não do nódulo.
Janaina não aceitou o provável diagnóstico e fez um voto no Altar. Então os exames mostraram que sua saúde estava perfeita. A jovem e toda sua família estão firmes na Universal há cinco anos e desfrutam de uma vida abençoada. “Deus me deu uma nova vida. Jamais imaginei isso. Tenho tudo que preciso, pois O encontrei. Sou completa, pois o Espírito Santo habita em mim.”


  • Maiara Máximo / Fotos: Cedidas e Arquivo Pessoal  


reportar erro