Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 11 de dezembro de 2016 - 00:05


É certo esconder uma agressão?

Programa de TV ensina mulheres a disfarçar as marcar de violência com maquiagem. Após gerar polêmica na internet, a emissora pediu desculpas

Uma emissora de TV do Marrocos exibiu um tutorial de maquiagem para disfarçar sinais de agressão doméstica. O programa diário “Sabahiyat” mostrou uma profissional maquiando uma modelo com hematomas falsos no rosto (foto abaixo). A atração, transmitida em novembro, gerou revolta nas mulheres do país e repercutiu em outras partes do mundo. “Nós esperamos que essas dicas de beleza ajudem vocês a seguir o seu dia a dia”, afirmou a apresentadora. A reação negativa dos telespectadores foi imediata. Nas redes sociais, milhares de pessoas criticaram o programa por incentivar as mulheres a acreditarem que a violência é aceitável em um relacionamento.

Está circulando no país uma petição online exigindo penalidades contra a emissora e um pedido formal de desculpas. No documento, mais de 2 mil pessoas pedem que a “normalização da violência contra a mulher” seja denunciada. “Não cubram a violência doméstica com maquiagem, denunciem o agressor”, diz o documento.

O canal 2M removeu o vídeo polêmico de sua página na internet e emitiu um comunicado dizendo que o tema exibido foi inapropriado. Em seguida, publicou um vídeo no Facebook se desculpando mais uma vez. “Nós sempre colocamos as mulheres no centro de nossos debates e defendemos seus direitos com todo coração”. Dada a gravidade da violência de gênero, “pedimos desculpas por exibir o quadro, que foi um erro de julgamento de nossa parte, e imploramos por sua compreensão”.

O programa foi exibido dois dias antes do Dia Internacional da Luta pelo Fim da Violência Contra as Mulheres, no dia 25 de novembro.

Em 2015, um estudo mostrou que cerca de 62,8% das mulheres entre 18 e 65 anos sofreram agressão física, psicológica, sexual ou econômica, no Marrocos. O mesmo levantamento descobriu que apenas 3% dessas mulheres denunciaram seus agressores. Violência doméstica não é um problema apenas naquele país. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), 70% das mulheres no mundo são vítimas de violência em algum momento da sua vida.

Esforço de todos

Há muitos fatores que contribuem para a banalização da violência doméstica. Entre eles está a maneira como o tema é tratado em filmes, novelas, músicas e propagandas. Na maioria das vezes, a violência é abordada de maneira preconceituosa e generalizante. Ao longo dos anos, ocorreram muitas polêmicas envolvendo personalidades da mídia e comerciais, acusados de promover o crime contra a mulher. O episódio ocorrido no “Sabahiyat” é mais um exemplo de que há muito a se fazer para combater esse problema. Em vez de ensinar a esconder as agressões, as mulheres precisam que toda a sociedade se posicione contra a violência de gênero.


  • Por Débora Vieira / Fotos: Fotolia e reprodução 


reportar erro