Rede aleluia
COVID-19: tecido para roupas e carros evita novas infecções
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 3 de julho de 2020 - 15:41


COVID-19: tecido para roupas e carros evita novas infecções

Uma das opções que já está no mercado resiste às lavagens e torna o novo coronavírus inativo assim que ele toca sua superfície

COVID-19: tecido para roupas e carros evita novas infecções

Desafiadas pela pandemia da COVID-19, indústrias brasileiras intensificaram pesquisas e desenvolvimento de tecidos inteligentes, capazes de neutralizar o coronavírus e várias bactérias. A Rhodia do Brasil criou um fio de poliamida antiviral e antibacteriano para confecção de tecidos para diversas aplicações, como vestuários e bancos de veículos. A startup Nanox desenvolveu um composto químico que, impregnado ao tecido, também evita a ação do vírus.

A pandemia foi o que levou a Rhodia a apressar o desenvolvimento do fio com ativos que bloqueiam a contaminação e a proliferação de vírus e bactérias. Se o tecido feito com o fio receber o vírus (por toque de mãos ou espirros, por exemplo), ele se torna inativo e perde a capacidade de contágio. Seu efeito é permanente, ou seja, não perde a capacidade após lavagens.

A Rhodia já começou a exportar o fio, chamado de Amni® Virus-Bac OFF para a Itália e negocia com outros países da Europa, Ásia e EUA. O produto teve sua eficácia comprovada por laboratório independente, seguindo protocolos têxteis das normas internacionais ISO 18184 e AATCC100. Ele também neutraliza também outros vírus como influenza e herpesvírus.

O professor Fernando Barros de Vasconcelos, que coordenou por 40 anos o curso de engenharia têxtil da Faculdade de Engenharia Industrial (FEI), afirma que há alguns anos a indústria passou a agregar aos tecidos tecnologias com diferentes atributos, como proteção solar, anticelulite e que ajudam em cicatrizações. “A Rhodia é pioneira na tecnologia de aplicar produtos dentro dos fios de poliamida para diferentes funções”, diz.

“O fio não é um escudo contra o coronavírus, mas algo adicional no seu combate para trazer mais segurança aos usuários, e não substitui os cuidados orientados pela Organização Mundial de Saúde (OMS)”, ressalta Renato Boaventura, vice-presidente de Poliamida e Fibras da Rhodia.

Proteção em carros

Única empresa homologada pela Rhodia para fabricar e distribuir produtos com o novo fio para o setor automotivo, a Chroma-Líquido Tecidos Tecnológicos vai colocar no mercado, ainda este mês, capas protetoras para bancos de veículos que serão vendidas em concessionárias.

Segundo Luís Gustavo de Crescenzo, sócio-diretor da Chroma-Líquido, cinco montadoras já pediram estudos para uso do tecido nos bancos na fase da produção dos carros.

A empresa é uma joint venture (união) entre a Chroma, que atua na prestação de serviços para o setor automotivo, e da Líquido, da área têxtil. A empresa também tem exclusividade de fornecimento para o setor aéreo e o de transporte público.

Uso em roupas, no transporte público e setor aéreo

O fio Amni tem um leque enorme de aplicações, afirma Crescenzo. Ele lista como exemplos camisetas, roupas para ginástica, máscaras, uniformes escolares, tapetes, assentos do metrô e de aviões. “Nos ônibus, por exemplo, além dos assentos é possível forrar as barras de apoio e o usuário só terá contato com áreas protegidas.”

Dois aeroportos de São Paulo e Mato Grosso do Sul também pediram o material para encapar bancos de espera e balcões de check-in. Uma grande rede de varejo encomendou tecidos para forrar as alças dos carrinhos de compras e tapetes para colocar nos caixas e nos balcões de atendimento, como os de setores de frios e carnes.

Boaventura avalia que os produtos com o fio antiviral vão custar em média, 20% a mais que aqueles feitos em tecido normal. Malharias como Santaconstancia, Berlan e Lupo já estão lançando coleções com tecidos de fio Amni. A Rhodia produz o fio na unidade de Santo André (SP). Neste ano, a venda do produto deve representar 30% do faturamento da empresa.

A Chroma-Líquido vê um potencial superior a R$ 5 bilhões para seus produtos. Nos próximos 12 meses deve produzir 2 mil toneladas de tecidos com o novo fio e faturar R$ 250 milhões – em 2019, a Chroma faturou R$ 100 milhões. A linha de produção fica no bairro do Pari, em São Paulo, e tem 400 funcionários. Mais 500 serão contratados ao longo do ano.

Micropartículas

Outra empresa que criou tecido capaz de eliminar quase 100% do vírus da COVID-19 é a startup Nanox Tecnologia, de São Carlos (SP). A empresa desenvolveu um composto químico com micropartículas de prata que é encharcado no tecido e neutraliza o coronavírus. O produto mantém sua eficácia até 30 lavagens da peça, mas a empresa trabalha em uma fórmula resistente a até 80 lavagens.

O diretor da Nanox, Luiz Pagotto Simões, diz que o composto foi apresentado há duas semanas. E, já houve encomendas de 1,5 tonelada. Por enquanto só foram realizados testes com o coronavírus, mas também serão feitos com outros tipos de vírus. Ele explica que o tecido é composto por uma mistura de poliéster e de algodão com dois tipos de micropartículas de prata impregnadas na superfície por meio de um processo de imersão, seguido de secagem e fixação.

Testes feitos em parceria com o Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP) mostraram que a solução na superfície de tecidos é capaz de eliminar 99% do vírus após dois minutos de contato. A pesquisa teve ainda colaboração da Universitat Jaume I, da Espanha, e da Universidade Federal de São Carlos (UFScar).


COVID-19: tecido para roupas e carros evita novas infecções
  • Do R7 / Fotos: Getty Images 


reportar erro