Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 18 de setembro de 2019 - 12:07


Cônsules e autoridades visitam o Templo de Salomão

Confira como foi a experiência e entenda o significado da construção

No dia 17 de setembro, cônsules, deputados e juristas, acompanhados de suas comitivas, visitaram o Jardim Bíblico, localizado na área externa do Templo de Salomão.

O passeio foi conduzido pelo Bispo Eduardo Bravo, responsável pelas relações institucionais da Universal e presidente da Unigrejas. Inicialmente, o grupo permaneceu na recepção do Jardim e recebeu uma explicação sobre o período em que o povo hebreu viveu escravizado no Egito.

Viagem no tempo

Posteriormente, as autoridades adentraram na réplica do Tabernáculo de Moisés, que possui os moldes e medidas do original estabelecidos por Deus. Nesse ínterim, o Bispo esclareceu para os visitantes sobre o significado do sacrifício bíblico e de que maneira essa prática apontava para a missão de Jesus Cristo na Terra.

Ali, também, há objetos sagrados que eram utilizados pelos sacerdotes da tribo de Levi.

“O sacerdote tinha que limpar as copas do candelabro, uma a uma, e trocar o azeite sem nunca deixar apagar a luz da Menorá. Trazendo para os dias de hoje, o candelabro representa a fé, a motivação, o Espírito Santo. Atualmente, nós vemos muito presente na sociedade o problema da depressão. E essa escuridão da alma, seria como o candelabro que se apagou. É por isso que precisamos sempre fazer a manutenção do nosso interior, nos relacionando com Deus”, explicou o condutor do passeio.

Todos puderam conferir também uma apresentação audiovisual, no Memorial do Jardim Bíblico, sobre a história da relação de Deus com o povo de Israel.

Uma experiência única

Para a consulesa da Gâmbia, Sylvia Agrícola (foto ao lado, à esquerda), a experiência foi enriquecedora: “Eu fiquei muito impactada. Foi muito abençoado. Chamou-me muito atenção os objetos sagrados que eram do Templo de Salomão. Porque, nós vemos a grandeza dessas obras e a luta pela fé. Nós também temos que ter muita fé nos dias de hoje”.

Igualmente, o cônsul do Gabão, Guilherme Curi, apontou para o conteúdo da edificação: “Eu já ouvi falar do Templo de Salomão. Mas, ao vivo é muito impactante. Os detalhes são impressionantes, desde as pedras de Israel até as oliveiras”.

Ele estava acompanhado de sua esposa, a consulesa Cristina Curi (foto acima, ao lado do esposo, Guilherme, e da consulesa Sylvia), que acrescentou: “É emocionante. O tabernáculo, o Altar de sacrifício. E tudo em tamanho original”.

Já a diretora do Israel Bonds, Eyla Benedykt, afirmou que o Templo de Salomão é um lugar ímpar e que impressiona os visitantes tanto pelo conteúdo, quanto pela forma.

“Eu estive, aqui, no Templo, em uma exposição com imagens de Jerusalém. Mas, o passeio é realmente fantástico. As pessoas podem vivenciar a história. Não é como apenas ler na Bíblia ou em um livro, é uma experiência que te leva até aquele tempo. Acho que todo mundo poderia vir ao Templo e fazer esse tour”, observou.

Algo com o que Hoang Thi Yen, do Escritório Comercial do Vietnã em São Paulo, concordou: “Já moro em São Paulo há dois anos. Para participar deste evento, hoje, eu procurei por informações sobre o Templo. E fiquei impressionada com o tamanho da construção. Na minha opinião, é um bem para São Paulo, porque acrescenta conteúdo para a nossa cultura quanto pessoa”.

O cônsul honorário da Namíbia, Sérgio Ricardo Rosset, já havia conhecido a edificação, durante a cerimônia da troca de bandeiras, ocorrida no dia 1º de junho, e acrescentou que a Universal tem um papel importante onde quer que esteja: “Eu conheço a Universal há algum tempo. Tem um templo da Universal, na capital da Namíbia, é um templo muito grande. O Templo de Salomão, em São Paulo, é algo muito bonito, um marco para a cidade e eu fiquei muito feliz por ter sido convidado”.

Deputados compartilham a experiência

O passeio também foi significativo para o deputado estadual Castello Branco: “Foi muito bom. Não esperava, não conhecia. Eu fiquei surpreso com a beleza do local. Com a magnitude da construção. Mas, acima de tudo, com a vibração espiritual que o Templo tem”.

E o deputado estadual Sargento Neri acrescentou que o momento foi enriquecedor: “Esse passeio é maravilhoso. Quantas vezes eu for convidado, estarei aqui visitando. A beleza das oliveiras, do Jardim Bíblico, chama atenção. Há também um filme que conta uma história de fé, mas também uma história dolorosa, que colheu resultados. Eu acredito na humanidade. E eu sei que com a presença da igreja, ela será cada vez melhor.”

Além dos deputados, também estavam presentes o deputado estadual Altair Moraes, o vereador André Santos e a procuradora de Justiça no Ministério Público do Estado de São Paulo, Maria Fátima Vaquero Ramalho Leyser.

Você também pode conhecer o Jardim Bíblico

Para mais informações entre em contato pelo telefone (11) 3573-3535 ou pelo e-mail passeio@jardimbiblico.com. Acompanhe também as novidades pela página oficial no Facebook e no Instagram.


  • Daniel Cruz / Fotos: Demetrio Koch 


reportar erro