Rede aleluia
Comunismo das redes sociais?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de Fevereiro de 2021 - 21:30


Comunismo das redes sociais?

Polônia alerta sobre os fins políticos das empresas de tecnologia

Comunismo das redes sociais?

Empresas de tecnologias que perseguirem ou banirem usuários por ideologia política podem ser multadas na Polônia. De acordo com o vice-ministro da Justiça do país, Sebastian Kaleta, essas empresas punem as pessoas por motivos políticos.

A declaração foi realizada à Fox News local e serve de alerta para que grandes empresas privadas, como Twitter, Facebook e Google, saibam que não estão acima da lei polonesa.

“Liberdade de expressão não é algo que moderadores anônimos que trabalham para empresas privadas devam decidir”, declarou Kaleta. “Em vez disso, a decisão cabe ao órgão nacional; funcionários devidamente eleitos”.

Segundo a nova legislação, qualquer plataforma que censure um usuário enfrentaria multas de US $ 13,5 milhões, a menos que o conteúdo também seja ilegal segundo a lei polonesa. Um comitê de arbitragem seria estabelecido para supervisionar as disputas.

De acordo com o vice-ministro, há muito tempo essas grandes empresas de tecnologia perseguem, punem e banem conservadores, cristãos e pessoas que declaram apoio aos valores tradicionais.

“Vemos que quando as grandes empresas de tecnologia decidem remover conteúdo para fins políticos, é principalmente conteúdo que elogia os valores tradicionais ou elogia o conservadorismo”, afirmou Kaleta. “E o conteúdo é excluído de acordo com sua ‘política de discurso de ódio’, sendo que as empresas não têm o direito legal de fazer isso”.

O ministro afirma que essas empresas agem assim em vários países e exemplifica com o banimento do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que ainda cumpria o mandato quando foi expulso de redes sociais:

“É muito preocupante porque, se essas empresas veem-se como uma organização com poder suficiente para banir um presidente em exercício dos EUA, isso envia uma mensagem ao mundo: ‘Podemos banir qualquer pessoa, quando quisermos’.”

Kaleta ainda ressaltou que a Polônia sofreu durante 45 anos com a ditadura comunista, o que lhe ensinou o valor da liberdade de expressão. Para ele, “quando o país vê essas novas tendências perturbadoras em direção à censura, a luz de alerta se acende”.

Clique aqui e relembre as consequências do banimento de Trump das redes sociais.


Comunismo das redes sociais?
  • Andre Batista / Imagem: Reprodução Instagram @kaletasebastian 


reportar erro