Rede aleluia
“Cheguei a roubar meu pai”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de Maio de 2022 - 00:05


“Cheguei a roubar meu pai”

Iludido com as distrações mundanas, John Lennon Sousa da Silva se envolveu com as drogas e a criminalidade. Veja como ele saiu dessas situações

“Cheguei a roubar meu pai”

Muitos jovens veem os pais como caretas e antiquados. Em contrapartida, enxergam no mundo um terreno de possibilidades e promessas de liberdade e felicidade sem fim. Com essa visão distorcida, são incontáveis aqueles que, mesmo com uma educação baseada em valores cristãos, dão as costas para o que aprenderam e se jogam no precipício oferecido pelo mundo.

Foi exatamente isso o que aconteceu com John Lennon Sousa da Silva, de 32 anos. Ele cresceu em uma família cristã e conhecia desde cedo a proposta de Deus para o ser humano: uma vida abundante na Terra e a Salvação no porvir. Mas, aos 16 anos, a curiosidade e o desejo pelo novo falaram mais alto em sua mente. “Comecei me envolvendo com más amizades, passei a ir para baladas e as coisas foram piorando gradativamente. Passei a beber, a usar drogas, depois entrei no tráfico e comecei a roubar. Passei várias madrugadas vendendo drogas armado”, relembra.

John relata que os roubos começaram dentro de casa: “cheguei a roubar meu pai. Pegava o dinheiro que ele separava para o dízimo e os propósitos de Fogueira Santa. Eu gastava todo o dinheiro em jogos. Era viciado em fliperama e gastava tudo o que conseguia lá. Toda vez que meu pai chegava do trabalho, eu fazia a mesma coisa, até que ele descobriu. Aí ficou pior, pois comecei a roubar na rua com meus amigos”, diz.

Envolvido na criminalidade, ele conta que chegou a esconder armas na casa de seu pai e, com o tempo, deixou até de dormir em casa. “Eu passei a ficar numa casa que era usada para guardar as drogas e os armamentos. Eu tomava conta das coisas e já ficava por lá.”

Se dentro de casa ele não tinha paz, John explica que, quando estava na rua, o medo de ser pego pela polícia era aterrador. “Eu era vazio, depressivo. Quando eu chegava em casa e colocava a cabeça no travesseiro era um verdadeiro sofrimento. Eu tinha o desejo de tirar minha vida para acabar com aquela situação, só não fiz isso porque tinha consciência de que se me matasse iria para o inferno.”

Na tentativa de sair dessa situação, John decidiu investir na vida amorosa. Ele começou a namorar e logo se casou. “Na época, eu tinha 17 anos e ela, 13. Meu objetivo era acabar com a depressão e o vazio dentro de mim, mas a situação piorou. O relacionamento era marcado por brigas, traições e vícios. Ela também era viciada em bebida e ainda ficava ao meu lado no tráfico. Mas foi quando descobri que seria pai que o desejo de morte ficou ainda mais forte dentro de mim.”

Mudança de rumo
Diante de uma vida “sem sentido” e repleta de problemas, John se lembrou da paz que sentia quando frequentava a Universal com o pai. Assim, aos 20 anos, ele retornou à Igreja decidido a restituir o controle de seus caminhos às Mãos de Deus. “Como eu já sabia o caminho, fui ao Altar e me entreguei. Logo me batizei e coloquei toda minha força em conhecer a Deus. Depois de três meses, tive meu encontro com Ele e recebi o batismo com o Espírito Santo.”

A mudança aconteceu de dentro para fora. Inicialmente, ele abandonou todas as coisas erradas que eram visíveis. Com o tempo, seu comportamento, atitudes e novos pensamentos confirmaram que, onde antes habitava um espírito do pecado, passou a viver o Espírito do Próprio Deus: “mudou tudo. Aquele vazio que eu tinha foi preenchido. A depressão e a sensação de que eu estava ficando louco sumiram. Deus mudou meu interior, restaurou minha saúde, meu casamento e minha dignidade.

Hoje eu tenho casa, carro e uma família abençoada, mas o principal é a minha Salvação. Eu perdi vários amigos e sou grato a Deus por ter tido outra chance. Sou verdadeiramente feliz”, finaliza.


“Cheguei a roubar meu pai”
  • Cinthia Cardoso / Fotos: Demetrio Koch e arquivo pessoal 


reportar erro