Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 19 de outubro de 2018 - 00:05


Casal cristão é processado por se recusar a fazer um “bolo gay”

Há 4 anos, um ativista em favor do casamento homossexual, chamado Gareth Lee, foi até a confeitaria Ashers Baking Company – localizada em Belfast, capital da Irlanda do Norte – e encomendou um bolo contendo uma imagem de Beto e Ênio – personagens do programa infantil Vila Sésamo – com uma legenda em apoio ao casamento gay.
Entretanto, a loja pertencia ao casal cristão Daniel e Amy McArthur. Ambos não concordaram em prosseguir com a produção do pedido, por causa da mensagem que ele continha. Eles pediram desculpas para Lee e lhe devolveram o dinheiro.
O cliente ficou irritado e decidiu entrar em uma briga judicial contra a confeitaria. O caso se arrastou até o dia 10 de outubro último, chegando à Suprema Corte do Reino Unido.
Contudo, cinco juízes decidiram, unanimemente, a favor do casal.
“A objeção foi à mensagem e não a qualquer pessoa ou pessoas em particular. Este tribunal deliberou que ninguém deve ser forçado a ter ou expressar uma opinião política com a qual não concorda”, afirmou a presidente da instituição judicial, Lady Brenda Hale.
Após o veredito, Daniel relembrou que, em uma encomenda anterior, Lee havia sido atendido pela loja e que seria bem-vindo futuramente.
“Os juízes deram um sinal claro, hoje, que empresas familiares, como a nossa, estão livres para se concentrarem em dar a todos os seus clientes o melhor serviço possível – sem serem forçadas a promover campanhas de outras pessoas”, disse Daniel, conforme noticiou o portal de notícias Sky News.
Portanto, segundo os magistrados, o casal não discriminou Lee, porque a objeção não foi contra a sua opção sexual, mas sim contra ajudá-lo a divulgar a sua causa.


  • Daniel Cruz / Foto: Reprodução 


reportar erro