Rede aleluia
Adolescentes insatisfeitos com a aparência têm mais chances de ter depressão na vida adulta
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 14 de Dezembro de 2020 - 17:58


Adolescentes insatisfeitos com a aparência têm mais chances de ter depressão na vida adulta

Redes sociais têm papel impactante na doença dos jovens

Adolescentes insatisfeitos com a aparência têm mais chances de ter depressão na vida adulta

Adolescentes insatisfeitos com a própria aparência têm quase três vezes mais chances de sofrerem com depressão na vida adulta. O resultado provém de um estudo realizado durante anos com 3.753 pessoas.

Quando essas pessoas tinham 14 anos, responderam questionários a respeito de sua satisfação com a aparência física, especificando o que achavam, entre outras coisas, de seu peso, figura, constituição corporal e determinadas partes do corpo.

Aos 18 anos de idade, os mesmos jovens responderam questionário semelhante, além de serem avaliados em relação ao desenvolvimento de depressão.

O resultado é que os adolescentes insatisfeitos com o próprio corpo aos 14 anos de idade têm 285% mais probabilidade de desenvolver quadros de depressão grave.

Isso tanto entre os meninos quanto entre as meninas.

De acordo com a equipe de pesquisadores da Universidade do Oeste da Inglaterra e da Erasmus Universidade de Roterdã (Países Baixos), responsáveis pelo estudo, essa alta incidência de jovens depressivos se deve ao grande uso de redes sociais.

“Este é o primeiro estudo prospectivo a demonstrar que a insatisfação corporal na adolescência prediz a ocorrência de episódios depressivos posteriores em um grupo de pessoas nascida no início dos anos 1990”, afirma o estudo. “Os resultados são diferentes das gerações anteriores também devido ao papel importante que a internet, a tecnologia e as mídias sociais têm nos estilos de vida das gerações mais recentes”.

Ou seja: pessoas que hoje têm entre 24 e 30 anos são mais influenciadas pelas redes sociais ao avaliarem seu corpo. E a comparação causa efeito negativo, levando à depressão.

O estudo aponta ainda que os nascidos após essa data utilizam mais a internet. E, provavelmente, sofrerão mais as consequências dessa comparação entre o padrão de beleza mostrado nas redes sociais e a vida real.

Padrões inalcançáveis

Há muitos anos a sociedade impõe padrões de beleza inalcançáveis, que seja utilizando o cinema, a televisão ou as revistas. Na última década, porém, o crescimento fenomenal das redes sociais fez com que mais pessoas se sentissem pressionadas a se enquadrar nesses padrões.

A impossibilidade de alcançar esses padrões é o que leva à depressão.

“Isso acontece porque as pessoas são influenciadas a se compararem com outras, e desafiadas a serem melhores do que as demais nos aspectos físicos”, explica a escritora Cristiane Cardoso. “Na tentativa de se adequarem ao que a mídia dita em relação ao corpo, cabelo, pele, moda e comportamento, acabam perdendo a sua essência e tornam-se cópias sem graça, réplicas produzidas pelos pensamentos contemporâneos”.

De acordo com ela, “as pessoas tendem a pensar que quem não se encaixa no padrão estabelecido não pode ser considerado bonito. E o que fazem, então? Normalmente, partem para um dos extremos: ou tornam-se escravas da mídia, focando no objetivo inatingível de estar perfeitamente na moda, ou entregam todas as fichas e desistem, de uma vez por todas, de fazer qualquer esforço em prol de sua beleza, ainda que seja mínimo”.

Se você é uma dessas pessoas, que está deprimida porque sua aparência não se enquadra no padrão estético imposto pela sociedade, participe da Sessão do Descarrego, que acontece todas as sextas-feiras, na Universal. Aprenda a utilizar a sua fé para fortalecer o espírito e não se deixar abater por algo tão supérfluo quando o padrão estético.

A Sessão do Descarrego acontece às 10h, 12h, 15h e 20h. Clique aqui e saiba o endereço mais próximo.


Adolescentes insatisfeitos com a aparência têm mais chances de ter depressão na vida adulta
  • Andre Batista / Foto: Getty Images 


reportar erro