Rede aleluia
A esquerda e os impostos
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 3 de Julho de 2022 - 00:05


A esquerda e os impostos

A esquerda e os impostos

Os impostos são pagamentos obrigatórios cobrados pelo governo com o objetivo de contribuir com o pagamento de despesas públicas e investimentos em setores básicos, como educação, saúde, segurança, infraestrutura e transporte. O valor é pago pelas empresas e pessoas físicas. Além disso, eles podem estar inseridos em um produto ou serem cobrados de forma isolada, como acontece com o Imposto de Renda. Os impostos são divididos entre os governos federal, estaduais e municipais, com o intuito de que cada uma dessas esferas tenha suas necessidades supridas.

Veja alguns exemplos abaixo:

Impostos Federais: Imposto sobre a Renda das Pessoas Físicas (IRPF), pago pelo cidadão; Imposto sobre a Renda de Pessoas Jurídicas (IRPJ), pago pelas empresas; Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF), cobrado em qualquer transação financeira; Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), pago pelas indústrias com alíquota variável dependendo do produto.

Impostos Estaduais: Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que incide sobre combustíveis, serviços de comunicação, energia etc.; Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), pago por donos de automóveis. Os dois impostos geram repasses
aos municípios.

Impostos Municipais: Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU); Imposto sobre Serviços (ISS), cobrado das empresas; Imposto sobre Transmissão de Bens Intervivos (ITBI), cobrado em transações de compra e venda de imóveis.

Visão da esquerda sobre impostos

A esquerda costuma alimentar a ideia de que a cobrança intensa de impostos é essencial para promover o estado de “bem-estar social” por meio da elaboração de planos de distribuição de renda e programas sociais., mas, no fim do cálculo, são justamente os mais pobres que precisam pagar os impostos que estão embutidos em alimentos e serviços essenciais como energia e transporte. Inclusive, ao olhar o gráfico da evolução da carga tributária no Brasil em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), é possível perceber que entre 2003 e 2011 foram registrados os maiores índices de impostos pagos pela população. O crescimento foi rápido e duradouro, enquanto os serviços públicos oferecidos não corresponderam em qualidade ao valor arrecadado.

Para combater a crise, menos impostos até sobre alimentos

Em maio o Ministério da Economia anunciou corte de 10% no Imposto de Importação cobrado sobre materiais de construção e alimentos da cesta básica, como arroz, feijão, massas e carnes. No ano passado, uma redução similar já tinha alcançado esses produtos. Desde o início do ano, outros itens de necessidade básica também tiveram a alíquota de Imposto de Importação reduzida (margarina, queijo, açúcar cristal e óleo de soja) e outros zerada (carne de boi desossada, trigo, milho em grão, etc.). Além dos alimentos, também entraram na lista artigos que estimulam a produção de bens no Brasil, como máquinas e equipamentos. Todas essas propostas são vistas pela sociedade como emergenciais e essenciais para minimizar impactos negativos da economia aos brasileiros. Mas será que, se dependesse de parlamentares esquerdistas, elas seriam aprovadas ou se repetiria o que houve na votação do ICMS?

Cobrança de ICMS limitada, apesar de muitos não quererem

A economia mundial está sofrendo. A crise da Covid-19 e a guerra no Leste Europeu têm gerado consequências graves para quase todos os países. Até mesmo economias superpotentes, como os Estados Unidos, estão enfrentando dificuldades.

Para conter a elevação de preços no Brasil, o governo federal corre em busca de alternativas, entre elas a redução de impostos. No caso dos combustíveis e outros serviços essenciais, como energia e serviços de comunicação, a cobrança de ICMS foi limAitada à alíquota mínima de cada Estado, que varia entre 17% e 18% (a média cobrada para a gasolina no País era 24,1%, mas no Rio de Janeiro, por exemplo, chegou a ser cobrado 34% de ICMS). O projeto se provou vital para o povo brasileiro e foi aprovado na Câmara e no Senado, mas com a resistência de alguns parlamentares esquerdistas. No Senado, o desconforto com a medida ficou evidente: 12 parlamentares se colocaram contra a iniciativa, a maioria deles integrante de partidos de esquerda. Foram eles: Rogério Carvalho (PT/SE), Paulo Paim (PT/RS), Jean Paul Prates (PT/RN), Humberto Costa (PT/PE), Paulo Rocha (PT/PA), Fabiano Contarato (PT/ES), Jaques Wagner (PT/BA), Confúcio Moura (MDB/RO), Flávio Arns (Podemos/PR), Nilda Gondim (MDB/PB), Marcelo Castro (MDB/PI) e Zenaide Maia (PROS/RN).

Reforma Tributária

O brasileiro trabalhou os primeiros cinco meses (149 dias) deste ano só para pagar impostos. Desde 1999 esse número não é menor do que quatro meses. Isso demonstra que, neste país, a população banca uma máquina pública inchada, burocrática e cheia de corrupção há décadas.

Por isso, apesar de as mudanças incomodarem quem está sendo beneficiado pela situação atual, elas são necessárias. É preciso coragem dos parlamentares para lutarem pelo povo. Afinal, ele é prioridade, não é mesmo?

Infelizmente, não para alguns políticos. Existe atualmente uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que trata da reforma tributária (base de consumo) “emperrada” no Senado. Sua votação já foi adiada cinco vezes pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), responsável por direcionar ou não a PEC para votação dos senadores.

Eis aí mais um motivo para ficar atento nas eleições deste ano e selecionar candidatos justos e que priorizem debater assuntos que beneficiem verdadeiramente o povo. Pesquise a fundo para votar bem e fazer a mudança que o Brasil precisa.


A esquerda e os impostos
  • Redação / Foto: getty images 


reportar erro