Rede aleluia
“A cada dia que passava, minha vida afundava mais”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 19 de Junho de 2022 - 00:05


“A cada dia que passava, minha vida afundava mais”

Vícios, prisão e prostituição fizeram parte do conturbado passado de Aline Viglio, que conseguiu reescrever sua história por meio da fé

“A cada dia que passava, minha vida afundava mais”

A representante comercial Aline Viglio, de 42 anos, teve uma infância que, aos olhos humanos, era muito agradável, mas a realidade não era assim. “Espiritualmente, era um lar desestruturado. Minha mãe vivia doente e meu pai, por ser geólogo, vivia viajando. Então, na adolescência, comecei a ficar angustiada e busquei refúgio nas drogas e nas baladas”, lembra.

Quando tinha 17 anos, ela vivenciou o fim do casamento de seus pais e, na mesma época, engravidou de gêmeas. O pai das meninas era traficante e a relação deles era marcada por vícios, traições e brigas tanto verbais quanto físicas. Ele chegou a ser preso por tráfico de drogas e, depois, foi a vez dela: “fiquei presa, durante dois meses, no lugar do pai das minhas filhas. Na época, ele traficava e eu era apenas cúmplice, mas tive que assumir a responsabilidade”.

Cansada da vida que levava e do lar que estava oferecendo às filhas, Aline se separou do traficante, mas conta que sua situação piorou: “sem ter condições ou o apoio da família para ajudar a sustentar as gêmeas, me envolvi com prostituição. A cada dia que passava, minha vida afundava mais”.

Aline se prostituiu por quase três anos, até que tomou a decisão de sair da Bahia e se mudar para São Paulo, onde sua mãe e avós moravam e oravam por ela na Universal.

ELA VENCEU O PRECONCEITO PARA MUDAR DE VIDA
No novo lar, Aline estava disposta a reescrever sua história. Ela tinha 27 anos. “Na época, aceitei o convite para ir à Universal, mas fui somente para agradar à família. Eu sabia que precisava de algo, mas não acreditava que era ali que encontraria porque, além de ter muito preconceito contra os evangélicos, eu era espírita e achava que Deus estava em todos os lugares”, recorda. Mas, aos poucos, ela foi ouvindo as pregações e aprendendo sobre a fé.

Algum tempo depois, Aline conta que percebeu que havia aprendido sobre Deus da forma errada e entendeu que precisava conhecê-Lo de verdade. Ela abandonou os vícios que ainda tinha e começou a ler a Bíblia e a frequentar as reuniões da Universal. Por fim, decidiu se batizar nas águas e passou a buscar o Espírito Santo.

“Quando recebi o batismo com o Espírito Santo, entendi o amor que Deus sente por mim. Tive uma certeza, uma paz, uma serenidade e uma alegria tão grandes que não tem explicação. Todo o vazio que eu sentia sumiu e nasceu em mim a necessidade de falar de Jesus para todo mundo”, diz. Logo depois, ela passou a se dedicar como obreira voluntária na Universal.

De ex-esposa de traficante e ex-garota de programa a mulher cristã, já faz 15 anos que Aline desfruta de uma transformação em todas as áreas da vida. Há cinco anos, ela se casou com o agente de segurança pública Marcelo Meireles. Hoje, eles atuam no grupo Universal nas Forças Policiais (UFP). “Ele é um homem de Deus.

Juntos, procuramos manter nossa família sempre unida, com paciência, respeito e a estrutura espiritual que sempre quis ter e oferecer às minhas filhas”, finaliza.


“A cada dia que passava, minha vida afundava mais”
  • Laís Klaiber / Fotos: arquivo pessoal 


reportar erro