eb3c52f78ce3362254213324871c7984 O tratamento que surpreendeu os médicos - Universal.org

O tratamento que surpreendeu os médicos

Por Janaina Medeiros/Foto: Marcelo Alves

Em 2017, Jocélia Sales de Jesus, de 54 anos, começou a sentir uma coceira constante na parte inferior da perna direita e na região do tornozelo. “No início, era só um pontinho preto, que não parecia ser nada grave. Apenas coçava.”

Apesar de a coceira ser corriqueira, ela pensou que fosse insignificante. Contudo, com o passar dos dias, passou a sentir fortes dores no mesmo local. “Minha perna e meu calcanhar estavam doloridos, mas a princípio não tinha nada de diferente na região. Não sabia por que estava sentindo aquela dor”, relembra.

Aos poucos, os sintomas foram se agravando. No local da área que já estava avermelhada por causa da coceira, abriram-se algumas feridas, e as dores tornaram-se mais intensas, a ponto de prejudicar a rotina de Jocélia. “Com as feridas abertas, eu comecei a ficar alucinada de tanta dor. Não caminhava direito nem fazia minhas atividades normalmente”, lamenta.

Há alguns anos, Jocélia havia sofrido com um problema vascular nas pernas. Na ocasião, ela se submeteu a uma cirurgia. Contudo, após esse fato, não havia apresentado nenhum outro sintoma relacionado à área venosa.

Mas o problema vascular tinha reaparecido. Ao ser avaliada por um especialista, recebeu o diagnóstico: ela estava com úlcera varicosa*, decorrente de uma insuficiência venosa dos membros inferiores.

A cada consulta médica, Jocélia ouvia dos médicos que o problema era grave e que demoraria muito para ser tratado, devido ao problema vascular. “Eles me diziam que era caso de cinco ou até dez anos para ser curado, que muitos iguais ao meu demoraram uma década e que, por isso, era apenas para eu ter paciência e fazer repouso”, conta.

Além do repouso, ela deveria tomar alguns medicamentos fortes que prejudicavam seu sistema digestivo. “Cheguei a tomar até morfina para amenizar a dor, e colágeno para fortalecer a área afetada. Mas não resolvia. Ao invés disso, as feridas abriam ainda mais, formavam crostas. E o meu estômago ainda ficava mais debilitado.”

As consequências da úlcera varicosa foram piores. Jocélia passou a ter problemas na coluna e dores na outra perna, por conta da sobrecarga. “Eu jogava todo o meu peso para a outra perna, usava muleta para andar e me sentia toda torta nas costas”, descreve.

A secreção que saía das feridas era tanta, que os curativos precisavam ser trocados constantemente. “Mesmo com dores, eu tinha que ir até o posto de saúde a pé para fazê-los.”

Revolta

Jocélia aguentou as dores e o tormento de ver as feridas ficarem cada vez mais profundas por alguns meses, mas, depois de algum tempo, revoltou-se com a situação.

Ela já frequentava a Universal há alguns anos e sabia que o poder de Deus era capaz de curar qualquer doença.

Para que isso acontecesse, ela começou a fazer propósitos específicos contra a doença. Jocélia recebia a água consagrada com a “gota do milagre” nas reuniões de cura da Universal e a usava como remédio. “Eu lavava todos os dias meu pé com essa água. Às vezes, doía tanto, mas, mesmo assim, eu jogava a água fria nele”, recorda.

Após duas semanas, as úlceras começaram a fechar e a secar. Então, ela não precisou mais fazer os curativos. Depois de um mês, as feridas deram lugar às cicatrizes.

Hoje, Jocélia pode caminhar e fazer suas atividades normalmente, porque tem apenas as marcas na perna que comprovam o que o poder de Deus fez em sua saúde. Além disso, ela foi curada da insuficiência venosa. “Os médicos diziam que poderia demorar uma década para a úlcera ser tratada. Mas, pelo poder de Deus, isso aconteceu em poucos meses. Todos ficaram espantados com a minha cura”, finaliza.

* O que diz o especialista

Úlcera varicosa é uma ferida profunda, que ocorre quando as válvulas venosas não funcionam adequadamente.

“As veias tornam-se incapazes de realizar a drenagem adequada, por uma falha no funcionamento das válvulas que possuem”, explica o cirurgião vascular Carlos Mostestruque, da Clínica Megamed.

Os principais sintomas são dor e prurido na região afetada. A pele também se torna cada vez mais escura, grossa, seca e inchada, perdendo em parte sua capacidade de defesa e de cicatrização adequada.

“A úlcera venosa compromete os mecanismos de regeneração que a nossa pele possui. É fundamental corrigir a insuficiência venosa”, diz.

O tratamento consiste em redução da obesidade, repouso dos membros inferiores e uso de meia de compressão elástica. “Em alguns casos, são utilizados procedimentos cirúrgicos, como a retirada de varizes ou realização de espuma para acelerar o processo de cicatrização”, finaliza o médico.

Reunião da Saúde restaurada

Direcionada a quem sofre com uma doença, dores ou problemas de saúde persistentes. Todas as terças-feiras, no Templo de Salomão ou em uma Universal mais próxima de você. Para saber os horários, acesse universal.org/enderecos

* A Universal ensina a prática da fé espiritual associada ao tratamento médico recomendado a cada paciente

ler mais
Reportar erro

comentários

Carregar mais

Comunicar Erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente

Expediente

Editora Executiva:

Cinthia Meibach

Coordenadora de Conteúdo Web:

Ivonete Soares

Repórteres:

Andre Batista, Daniel Cruz, Débora Picelli, Jeane Vidal, Michele Roza, Rafaela Dias, Rafaella Rizzo, Sabrina Marques



E-mail para Contato: redacao@sp.universal.org.br

Telefone: (11) 2392-3372

Endereço: Rua João Boemer, 254 - Brás, São Paulo

Cep: 03018-000