eb3c52f78ce3362254213324871c7984 'Nada a Perder': um filme que incomoda muita gente - Universal.org

'Nada a Perder': um filme que incomoda muita gente

Por Vanessa Lampert / Foto: Divulgação

A primeira semana de exibição do filme Nada a Perder , que estreou dia 29 de março, foi marcada por cinemas lotados e elogios do público (informação que o R7 foi um dos poucos a mostrar ). Porém, foi marcada também por uma campanha depreciativa de parte da imprensa, ecoada por quem enxerga tudo através das lentes de seu preconceito. Para essas pessoas, do alto de sua ignorância, qualquer coisa que envolva o nome Edir Macedo ou Igreja Universal deve necessariamente ser ruim.

Isso ficou claro na cobertura da imprensa brasileira, capitaneada pelos jornais O Globo, do Rio de Janeiro, e O Estadão, de São Paulo. Os dois fizeram praticamente a mesma reportagem no dia da estreia do filme. E quando digo “praticamente a mesma”, chamo atenção para uma infinidade de “coincidências” nos dois textos, desde o posicionamento, os dados levantados, até as redes de cinema (ambos visitaram um Espaço Itaú e um Cinemark), a escolha de palavras e a conclusão a que tentam fazer o leitor chegar. A tentativa de manipulação é tão descarada (assim como o fato de que os dois receberam a mesma pauta encomendada) que não é possível que eu tenha sido a única a notar.

A estratégia é a mesma utilizada na época do lançamento do filme Os Dez Mandamentos. Na ocasião, escrevi um artigo chamado Os cinemas vazios do UOL, mostrando a manipulação de fatos para criar a mentira de que os números da pré-venda não eram reais. Quem foi assistir ao filme tirou fotos para mostrar a lotação das salas de cinema, provando que o argumento da imprensa era falso. É claro que nem sempre todos os lugares estavam ocupados (estranho seria se estivessem, em todas as sessões, em todos os cinemas), mas muitas salas lotaram e a imprensa simplesmente ignorou. A mesmíssima coisa aconteceu agora. Os repórteres ignoraram tanto as salas que lotaram quanto o desmentido de dois anos atrás e continuam citando a fake news velha como se fosse verdade.

Uma fonte me contou que repórteres estavam tirando fotos antes do cinema encher, para “provar” o argumento de que havia lugares vazios no cinema — e não correr o risco de ter que encontrar um cheio e prejudicar a defesa da pauta. Eu até poderia mais uma vez mostrar fotos reais de sessões lotadas, porém, o buraco é mais embaixo. Não é uma questão de lotação das salas ou de contar lugares vagos. As perguntas certas são: ainda que estivessem corretos, esses dados provariam o que dizem provar? E por que os jornalistas estão agindo como fiscais de bilheteria apenas para o Nada a Perder ? Por que não fazem isso com nenhum outro filme? Qual é a real motivação?

Usam como desculpa para essa “nova investigação” a “denúncia” de que os ingressos para o filme Os Dez Mandamentos teriam sido comprados pela própria Igreja Universal. Temos dois problemas aqui. O primeiro é que essa denúncia foi feita por eles mesmos dois anos atrás. Em outras palavras, eles criaram o factóide (popularmente chamado de fake news) em 2016 e, dois anos depois, usam essa mesma fake news para justificar a confecção de uma nova fake news. Genial! Raciocínio circular, já mostrando, desde o início, que as reportagens não têm fundamento algum. Mas vamos em frente, porque os problemas não param aí. O segundo problema é que as reportagens partem do pressuposto de que contar os assentos vagos em uma sala de cinema poderia comprovar a denúncia feita, o que não é verdade.

O engano desse tipo de matéria está em tentar relacionar um dado — algumas sessões terem pouca gente — a outro — 4 milhões de ingressos terem sido vendidos na pré-venda — mesmo sendo impossível fazer essa relação. O que o repórter não informa ao leitor é que ele parte de uma premissa falsa — a de que a ausência de lotação em cinco salas num universo de mais de 1.100 seria prova de que os ingressos de pré-venda não foram comprados por pessoas reais, e sim pela instituição, para inflar os números. Não há dados suficientes para se fazer uma afirmação dessas, exceto na cabeça confusa e preconceituosa de quem espalha esse tipo de coisa.

Os ingressos vendidos para a pré-venda não foram vendidos apenas para o dia da estreia. Logo, os 4 milhões de ingressos foram distribuídos pelos dias de exibição do filme e, assim, a lotação do primeiro dia não diria absolutamente nada sobre o destino dos primeiros 4 milhões de ingressos. Então, para começar, se a ideia era provar a tal “denúncia” a ida ao primeiro dia para contar cadeirinhas vagas no cinema seria uma atividade bem inútil. Seria necessário descobrir para quais dias os 4 milhões de ingressos da pré-venda foram vendidos e rastrear esses ingressos em meio aos ingressos comprados pós-estreia. O problema é que isso é impossível.

Outro ato falho foi usar uma amostra totalmente inválida. A reportagem do Estadão visitou apenas dois cinemas. No Itaú, conferiu apenas uma sessão (eram 14 sessões por dia). No Cinemark, o repórter não dá o número de pessoas que assistiram às duas sessões que ele visitou nem o número de sessões do dia (O curioso é que uma delas era às 20h20 e outra às 20h40 e a matéria foi publicada às 20h53, será mesmo que ele ficou até o filme começar, para contar os lugares vagos?).

Juntos, os dados levantados pelo Globo e Estadão são: cinco salas em quatro cinemas, concentradas em dois grandes centros. Os cinemas visitados no Rio, para piorar, ficavam no mesmo bairro. Repito, o universo sobre o qual eles deveriam falar era composto de mais de 1.100 salas de cinema espalhadas por todo o Brasil e eles foram em apenas CINCO em DUAS cidades. Amigo, tente fazer uma pesquisa com esses dados em qualquer instituto de pesquisa sério e você será escorraçado. Porque, fazendo o cálculo, cinco salas em 1.109 (usando o número divulgado pelo O Globo), dá 0,49%. E, ainda que fosse um percentual alto, essas salas e horários representam de fato todo o público do filme? Ou foi somente uma amostra escolhida a dedo para fabricar a matéria da forma que desejavam? Em estatística, esse tipo de informação tem o sugestivo nome de “amostra não representativa”. Em jornalismo, o nome é manipulação de dados. O repórter escolhe os dados que aparentemente confirmariam o que ele quer dizer e afirma — enganosamente — que representam o todo.

Gosto de como o clássico livro Como mentir com estatística , de Darrel Huff, explica isso: "Se você tem um barril de feijões, alguns pretos e outros brancos, só há uma maneira de descobrir exatamente quantos grãos de cada cor você tem: contá-los. Porém, você pode descobrir de um modo muito mais fácil a quantia aproximada de feijões pretos: pegando um punhado de grãos, contando apenas os pretos e calculando que a proporção será a mesma no barril todo. Se sua amostra for grande o bastante e escolhida de forma apropriada, representará bem o barril todo para a maioria dos propósitos. Se não for, poderá ser muito menos precisa do que qualquer estimativa inteligente, sem nada que a torne confiável além do ar falso de precisão científica. A triste verdade é que as conclusões a partir dessas amostras, sejam elas tendenciosas, reduzidas demais ou as duas coisas, estão por trás de grande parte daquilo que lemos ou achamos que sabemos". O livro foi escrito mais de cinquenta anos atrás e já fala desse tipo de fake news... de lá para cá, a situação da imprensa tendenciosa só se agravou.

Aliás, a Folha de São Paulo também publicou, alguns dias depois, uma reportagem com exatamente a mesma pauta das publicadas no dia 29 (e — coincidência — visitou um Itaú e um Cinemark...mas também foi ao Kinoplex). Enviou seus fiscais de bilheteria seletiva para ver quantas pessoas estavam por lá, porém foi um pouquinho mais honesta: confessou ter conversado com muitas pessoas que compraram o ingresso, disse que outras pareciam ter ido em grupos e também admitiu: "Mas não é possível saber quantas pessoas assistiram a Nada a Perder — não há controle, nas redes UCI, Playarte e Itaú, de quantos pagantes de fato assistiram às sessões. A Cinemark não respondeu" (opa, é impossível saber? Por que as outras reportagens se esqueceram de mencionar esse “detalhe”?). Temos que ser honestos, desta vez a Folha tentou fazer jornalismo — dentro dos limites impostos pela pauta, é claro. E se não é possível saber quantas pessoas não foram, é mais impossível ainda saber o porquê da ausência das que não foram.

Eu e meu marido compramos quatro ingressos na pré-venda, um para o dia da estreia e outro para a semana seguinte. Assistimos à estreia e tive que comparecer a uma consulta médica no horário dos nossos outros ingressos. Como a compra foi feita com um desconto que era intransferível, não pudemos sequer doar nossos ingressos. Aí imagino o coleguinha alçado ao posto de fiscal de bilheteria contando os assentos vazios e encontrando os nossos por lá: “olha só, esses dois com certeza ganharam ingressos do pastor e não vieram” ou “ih, esses ingressos com certeza foram comprados pela igreja para inflar os números” (sim, falam com muita certeza sobre tudo, pois quem tem preconceito não cogita outra coisa senão o seu próprio preconceito) — enquanto eu e meu marido estávamos na fila do ortopedista. Chegar a uma “conclusão” sem dados concretos é isso aí. Ridículo, por favor.

Impressiona como, sem nenhuma prova, com dados manipulados, esse tipo de reportagem conseguiu encravar na cabeça de alguns que “a Igreja Universal comprou todos os ingressos para parecer que eles esgotaram, mas os cinemas estavam vazios”. Com evidências falsas. Outro livro, A arte de fazer um jornal diário, do jornalista Ricardo Noblat, descreve claramente como funciona, consciente ou inconscientemente, esse processo: "Acreditamos no que queremos acreditar, essa é que é a verdade! E, diante de uma história que nos pareça tão boa, tudo fazemos para acreditar nela. Queremos que seja verdadeira — e por isso saímos atrás de indícios que a confirmem. Não saímos atrás de indícios que provem sua veracidade ou que simplesmente a neguem. Ficamos cegos com muita frequência diante de indícios que põem a história em dúvida."

O autor afirma, em outro trecho do livro: "Denúncia não é notícia. Notícia é a denúncia com fundamento". Parece que os colegas jornalistas se esqueceram desse detalhe e caíram na armadilha de sair atrás de “indícios” que confirmem aquilo que foram orientados a confirmar. Quando o repórter já tem um preconceito e recebe uma pauta com viés pré-determinado, é muito difícil escapar dessa armadilha. Se o interesse fosse realmente apurar uma denúncia real (não é o caso, pois — repito — a denúncia foi fabricada por eles), teriam que ir a vários cinemas, em diferentes horários, durante vários dias, com diferentes públicos e mostrar também as salas que ficaram lotadas. Não o fizeram. Jamais o fazem.

A questão é a motivação por trás dessas reportagens. Qual era o interesse? Não é apurar uma notícia (até porque, desde quando o fato de ter algum lugar vazio em uma sala de cinema é notícia? Já viu esse tipo de reportagem no lançamento de qualquer outro filme?). A motivação é distribuir os óculos do preconceito aos leitores. Espalhar a ideia de que membros da Universal não são capazes de fazer suas próprias escolhas — ou sequer comprar seus próprios ingressos para o cinema. E a ideia de que um conteúdo que tenha como tema Igreja Universal ou Edir Macedo não seria de interesse de ninguém.

Um esforço intenso tem sido feito na esperança de descredibilizar o filme e fazer com que as pessoas transfiram para ele o preconceito que têm contra a Igreja Universal, e uma horda de papagaios repete, sem raciocinar, aquilo que repórteres escreveram também sem raciocinar. A lista de veículos envolvidos nesse esforço desesperado não para de crescer: O Globo, Estadão, Folha, Exame, Veja, entre outros menores.

Mais recentemente, esses argumentos foram “reforçados” pelo depoimento de um rapaz que teria sido abordado por uma senhora desconhecida no shopping e recebeu dela um ingresso. Já envenenado pela interpretação da mídia, ele sequer cogitou a hipótese de ter sido iniciativa daquela senhora. Na imaginação dele, ela representava a Igreja e a intenção era encher cinemas vazios. Atestado de ignorância, é claro, mas ecoado pela revista Veja, que, mesmo depois de apurar e ouvir da Universal que essa ação não havia partido da Igreja, publicou a opinião do rapaz com cara de “denúncia”.

Vamos apurar direito, coleguinhas? Como podem publicar a matéria sem antes entender o comportamento do segmento? Comprar livros para doar a parentes, amigos e até desconhecidos é prática comum não só entre membros da Universal, mas de várias outras igrejas (já vi uma senhora na livraria com uns dez exemplares do livro de um padre, dizendo que gostou e estava comprando para doar), a pessoa quer para os outros o que fez bem para ela. É natural que isso aconteça com relação aos ingressos do filme. E me enoja ver quem recebe ingressos (comprados com esforço e doados com amor) e enxerga nisso uma “comprovação” de fake news. Mas a culpa é da irresponsabilidade de quem, tendo o papel de informar, apenas espalha e alimenta preconceito.

Em uma das cenas do filme, três personagens confabulam em uma sala: um representante do poder judiciário, um representante do poder religioso dominante e um representante do poder midiático. Eles discutem como parar o desenvolvimento do trabalho do protagonista, porque aquela igreja crescia longe do sistema viciado dominado pelos grandes poderes. Então, decidem usar a imprensa para criar factóides e descredibilizar o trabalho. O que aconteceu na mídia durante esses primeiros dias de exibição do longa só me prova que o que o filme mostra é o que acontece de verdade, nos bastidores do sistema apodrecido que se aproveita dos preconceituosos de plantão para espalhar seu veneno. Tudo isso é para tentar desencorajar as pessoas a irem ao cinema? Tudo isso é para evitar que elas vejam como se fabrica uma notícia? Se for, falta um pouquinho mais de esforço para, pelo menos, não subestimar a inteligência de quem não tem preguiça de pensar.

ler mais
Reportar erro

comentários

Carregar mais

Comunicar Erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente

Expediente

Editora Executiva:

Cinthia Meibach

Coordenadora de Conteúdo Web:

Ivonete Soares

Repórteres:

Andre Batista, Daniel Cruz, Débora Picelli, Jeane Vidal, Michele Roza, Rafaela Dias, Rafaella Rizzo, Sabrina Marques



E-mail para Contato: redacao@sp.universal.org.br

Telefone: (11) 2392-3372

Endereço: Rua João Boemer, 254 - Brás, São Paulo

Cep: 03018-000