eb3c52f78ce3362254213324871c7984 De férias e de olho nos filhos - Universal.org

De férias e de olho nos filhos

Por Janaina Medeiros/ Fotos: Fotolia

As férias são sinônimo de diversão para as crianças, mas também de preocupação para os pais. Nessa época, é preciso redobrar os cuidados para fazer com que elas aproveitem o período com tranquilidade, alegria e ainda tenham seu bem-estar garantido.

Como os locais de lazer nesses meses ficam muito cheios de frequentadores, é necessário que os pais fiquem atentos para proteger os pequenos. Afinal, se houver qualquer descuido, a criança poderá se perder ou ainda ser levada por uma pessoa estranha.

A psicóloga Gislaine Mendonça Buarque alerta que os pais devem manter a atenção voltada para os filhos mesmo que também estejam aproveitando os momentos de lazer para descansar. “Mesmo que você esteja querendo curtir a sua forma de entretenimento, como jogar conversa fora ou mexer no celular, por exemplo, não tire os olhos da criança. Bastam dez segundos para que ela saia do seu alcance visual e se perca. Podemos tirar férias de vários afazeres, mas não da função de pai e mãe. Por isso, temos que ficar de olhos bem abertos com eles, seja na praia, seja em outro lugar qualquer”, adverte.

Ela recomenda que o cuidado com os filhos ao sair de casa durante as férias deve ser maior do que em outras épocas do ano. “Não fique longe do seu filho e oriente-o para que ele esteja em locais onde você possa localizá-lo facilmente. As férias só serão aproveitadas por ele se você, como responsável por ele, estiver tomando as medidas de precaução para protegê-lo ”, avisa.

Os cuidados devem ser maiores com crianças pequenas. Na praia ou no clube, por exemplo, é preciso estar junto do seu filho quando ele for entrar na água e não se afastar dele nem por poucos minutos.

Para evitar que se percam na multidão, uma boa dica é colocar uma identificação neles, como uma pulseira ou etiqueta pregada na roupa com nome, endereço e telefone dos pais. Outra recomendação é vesti-los com roupas com cores chamativas.

De acordo com a pediatra Fabíola La Torre, mesmo crianças maiores que tenham noção de perigo se distraem com facilidade e podem ser facilmente persuadidas a se arriscar. “A ousadia e o gosto por adrenalina, principalmente entre os pre?-adolescentes, também favorecem essa vulnerabilidade. Eles passam a se aventurar mais e a frequentar locais de banho proibidos, muitas vezes sem o conhecimento ou o consentimento dos pais”, assegura.

A pediatra adverte os adultos que levam os filhos às praias e piscinas para que avaliem sempre os riscos de afogamento. “As boias infantis não podem ser consideradas equipamentos de segurança, pois não evitam que as crianças mergulhem a cabeça na água e, além disso, podem estourar facilmente. O único equipamento de segurança para evitar afogamentos de crianc?as e? o colete salva-vidas, mas nada substitui a supervisa?o atenta e educativa dos adultos”, garante.

Vai ficar em casa?

Engana-se quem pensa que a atenção deve ser direcionada apenas aos pequenos que vão viajar. As residências também oferecem muitos perigos.

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Pediatria, entre 80% e 90% dos acidentes com crianças acontecem dentro das casas, principalmente durante as férias.

Isso porque a maioria dos pais acredita que em casa elas estão mais protegidas e, por isso, acabam não tomando providências para reduzir os acidentes domésticos. “Grande parte do risco a que as crianças estão expostas está dentro de casa, nos brinquedos e pequenos objetos, no manuseio de líquidos quentes e produtos tóxicos. Em época de férias, a tendência é que as crianças fiquem mais tempo em casa e, com isso, esse risco aumenta”, informa a pediatra.

De acordo com uma pesquisa do Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes, as quedas representam a principal causa de atendimentos de crianças em hospitais nessa época, em decorrência de brincadeiras sem supervisão dos adultos em escadas, no piso molhado e nas mobílias.


Brincadeiras como jogar bola na rua, soltar pipa e andar de bicicleta, skate e patins também podem ser perigosas se não forem supervisionadas por um adulto. Além de apresentarem potencial para causar machucados, podem causar atropelamentos, por exemplo.

Portanto, esteja atento para cuidar dos filhos durante as férias independentemente do local onde vocês estiverem. Dessa forma, ele voltará às aulas descansado para se dedicar ao novo ano letivo.

Atenção para prevenir acidentes

  • Em parques, veja sempre se seu filho está utilizando brinquedos indicados para a idade dele
  • Certifique-se de que ele não esteja brincando perto de escadas, piscinas ou vias movimentadas
  • Em locais públicos, mostre para ele uma referência de onde a família está instalada, como placa, barraca ou quiosque, por exemplo
  • Oriente-o para que nunca acompanhe estranhos nem aceite doces ou presentes
  • Instrua-o a reconhecer e buscar ajuda com policiais, salva-vidas ou pessoal do Corpo de Bombeiros, caso se sinta perdido ou assustado
  • Ensine-o a ter o número do celular dos pais e, se for pequeno, a saber dizer o próprio nome e sobrenome, caso se perca
  • Fontes: Fabíola La Torre, pediatra, e Corpo de Bombeiros do Estado de São Paulo


    ler mais
    Reportar erro

    comentários

    Carregar mais

    Comunicar Erro

    Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

    Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente

    Expediente

    Editora Executiva:

    Cinthia Meibach

    Coordenadora de Conteúdo Web:

    Ivonete Soares

    Repórteres:

    Andre Batista, Daniel Cruz, Débora Picelli, Jeane Vidal, Michele Roza, Rafaela Dias, Rafaella Rizzo, Sabrina Marques



    E-mail para Contato: redacao@sp.universal.org.br

    Telefone: (11) 2392-3372

    Endereço: Rua João Boemer, 254 - Brás, São Paulo

    Cep: 03018-000