Como tornar-se uma mãe dedicada

Por Michele Roza / Fotos: Cedidas

O projeto T-Amar, do grupo Godllywood, desenvolve um trabalho importante com as mulheres que se tornam mães muito jovens e também com aquelas que acabam sendo abandonadas pelos parceiros ou até mesmo pela família. O projeto nasceu da vontade de ajudá-las a recuperar a autoestima e a confiança. Além disso, oferece cursos profissionalizantes e assistência social e jurídica.

Há aproximadamente 3 anos, o T-Amar Uruguai realiza reuniões e atividades com as mães. No último dia 8 de outubro, cerca de 20 voluntárias se reuniram e fizeram um piquenique especial para 260 mães e seus filhos. O encontro aconteceu numa casa de eventos em Cordón, bairro da capital do país, Montevideo.

Segundo a responsável pelo projeto no país, Patrícia Silva, ações assim dão a essas mulheres, que não têm condições ou tempo de usufruir desses momentos com os filhos, a oportunidade de passar uma tarde toda interagindo e dedicando atenção integral a eles.

Além dos lanches que foram oferecidos a todos os presentes, o encontro também contou com a realização de gincanas e dinâmicas, como um quiz cultural, uma corrida de saco de pano, competições diversas e, no final, uma apresentação de dança.

Veja ao final da matéria, galeria de imagens com as fotos do encontro.

Aprendendo a ser mãe

Os encontros, as atividades, a atenção e o cuidado especial das voluntárias, oferecendo além do apoio material, auxílio espiritual e emocional, têm ajudado muito o relacionamento entre mães e filhos.

Prova disso é a história da doméstica Patrícia Pereira, de 37 anos, mãe de 4 filhos. Ela conta que, após começar a frequentar o grupo, aprendeu a ter mais paciência nas situações do cotidiano, em casa com os filhos, e a se dedicar mais como mãe.

“Eu era muito impaciente e descontava isso no meu filho. Ao fazer a lição de casa, ele sempre terminava irritado e chorando. Vindo às reuniões, aprendi a usar as palavras com cuidado e fazer desse momento um período agradável para ambos. Outra coisa muito importante que aprendi foi a não fazer diferença entre os meus filhos. Eu tenho 3 meninas e 1 menino e, às vezes, inconscientemente, fazia essa diferença por ele ser o único menino e o mais novo da família, o que gerava ciúmes nas minhas filhas. Mas, percebi isso a tempo e mudei a minha atitude. Aprendi a olhar para cada um e me dedicar a todos. Assim tenho avançando e aprendido a cada reunião”, conta.

Desde 2012, o projeto T-Amar tem oferecido apoio e conscientização, transformando a vida de muitas mães solteiras, que, durante as reuniões do grupo, encontram força e direcionamento para seguir em frente.

E, você tem enfrentado dificuldades para fortalecer o seu vínculo com os filhos? Participe das reuniões do T-Amar na sua cidade. Clique aqui e encontre uma Universal mais perto de sua residência.

ler mais
Reportar erro

comentários

Carregar mais

Comunicar Erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente