A necessidade de aprovação é uma furada para a fé cristã

Por Ana Carolina Cury/ Foto: Fotolia

Sentir-se aceito é algo que, em geral, eleva o ego do ser humano. Seja em um grupo de amigos, seja em uma rede social, no trabalho ou entre os familiares, saber que as pessoas admiram você é algo que gera alto nível de satisfação.

Os especialistas são unânimes em afirmar que as pessoas sentem necessidade de serem amadas e aprovadas umas pelas outras. Mas, quando se fala na fé cristã, a orientação é clara:

Porventura, procuro eu, agora, o favor dos homens ou o de Deus? Ou procuro agradar a homens? Se agradasse ainda a homens, não seria servo de Cristo. Gálatas 1.10

Quem procura agradar aos homens não poderá dizer que é servo de Cristo. Isso porque os verdadeiros cristãos, inevitavelmente, desagradarão a muitos.

Sacrifício e renúncia

Logo depois de conhecer o Senhor Jesus e de decidir se batizar nas águas, as pessoas começam a enfrentar perseguições e questionamentos externos. Sua fé passa a ser testada, seja pelo chefe, que pergunta para o funcionário qual igreja ele frequenta; seja pelos vizinhos, que deixam de conversar porque sentem preconceito. E até mesmo familiares, que passam a criticar a nova postura; ou o cônjuge, que ameaça ir embora de casa.

Enfim são muitos os testes. E, por causa de todos eles, existem muitas pessoas que não aguentam as provações e desistem de agradar a Deus para não desagradar aos homens.

O Bispo Edir Macedo é enfático ao dizer que a Bíblia não prega facilidades. O caminho para quem escolhe seguir a Jesus é de sacrifício e renúncia. “Desagradável àqueles que querem apenas ‘mamão com açúcar’. Muitos ainda procuram o favor dos homens. Acreditam que precisam que a opinião alheia lhes seja favorável. Esperam o ‘tapinha nas costa’, querem consultar os vizinhos e amigos para saber o que acham do que decidiram”, observa.

A realidade é uma só: quem quer obedecer a Deus vai ter de desobedecer ao mundo. Não tem meio-termo, não há como satisfazer a ambos. E, não basta ser assíduo na Igreja, é preciso praticar a Palavra, que quase sempre exige atitudes e posicionamentos que estão na contramão do mundo.

A Bíblia diz que o Senhor Jesus apareceu depois de sua ressureição para mais de 500 pessoas e pregou por 40 dias para que elas esperassem a descida do Espírito Santo em Jerusalém. Só que, no dia de Pentecostes, havia apenas 120 dessas 500 pessoas presentes. “Portanto, nem a metade que viu o Senhor Jesus ressuscitado e que O ouviu falar por 40 dias O obedeceu, deu ouvidos, praticou, etc. Por quê? Porque Jesus foi morto em Jerusalém e estavam perseguindo Seus discípulos e seguidores. Ou seja, estar em Jerusalém era uma ameaça. Era um sacrifício. Eles viviam escondidos, perseguidos por causa da fé. Por que Jesus não prometeu o derramamento do Espírito Santo em outra cidade? Porque não haveria nenhum sacrifício, nenhum esforço. E para receber o Espírito Santo era necessário o sacrifício de estar em Jerusalém”, observa o Bispo Macedo em texto publicado em seu blog.

O que chama atenção é que as mais de 500 pessoas queriam o Espírito Santo, mas não queriam se sacrificar. Assim são as pessoas que querem viver a fé, satisfazer a própria carne e o mundo ao mesmo tempo. Elas pensam: ‘que mal há em fazer isso ou aquilo?’, ‘não posso ser radical’, ‘quero a fé, mas não quero ter que mudar’, e acabam tomando atitudes que não condizem com a vontade de Deus, seja mantendo antigos hábitos, seja frequentando lugares ou falando palavras desagradáveis apenas para fazer parte de um determinado grupo.

Quem é você hoje?

Você pode escolher hoje ser como a maioria e afastar as bênçãos de Deus. Ou pode decidir entrar pela porta estreita, ou seja, resistir às perseguições e, por meio de uma nova atitude, espalhar o perfume de Cristo.

A Salvação é individual, assim como a sua consciência. Por isso, não permita que nenhum estranho dirija sua vida, apenas Deus.

Se você escolher agir como a maioria, para não ser excluído ou para agradar ao mundo, correrá o risco de se decepcionar – afinal de contas, as pessoas erram. Mas quem vive para agradar a Deus jamais se decepciona. “Que você seja livre, converta-se, nasça de novo e receba a sua Glória, que é o batismo com o Espírito Santo. Todas as vezes que levantamos os nossos olhos, Deus nos dá uma direção, pois, ainda que tudo aponte o contrário, Ele guia-nos, já que o Espírito de Deus renova-nos diariamente”, acrescenta o Bispo Macedo.

O medo de não ser aceito desaparece para aqueles que seguem o que a Palavra diz. “Queira o favor de Deus. Favor não apenas para o dia de hoje, mas favor para o futuro. Favor para a eternidade. Quem agrada a Deus, desagrada ao mundo. Quem agrada ao mundo, desagrada a Deus. Não se pode servir a Deus e ao mundo. Ou se ama o mundo ou se ama a Deus. Ou serve ao mundo, ou serve a Deus. Não estranhe se o mundo lhe odeia. Não queira agradá-lo. Sempre haverá separação entre a luz e as trevas. E caberá a cada um decidir de qual lado ficar”, conclui o Bispo.

Então, que tal pedir agora mesmo a Ele forças para vencer o mundo e tudo o que tem afastado você da fé genuína? Seja forte e corajoso, porque, depois da perseguição, vem a vitória. E felizes aqueles que se mantêm fiéis durante a guerra.

ler mais
Reportar erro

comentários

Carregar mais

Comunicar Erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente

Expediente

Editora Executiva:

Cinthia Meibach

Coordenadora de Conteúdo Web:

Ivonete Soares

Repórteres:

Andre Batista, Daniel Cruz, Débora Picelli, Jeane Vidal, Michele Roza, Rafaela Dias, Rafaella Rizzo, Sabrina Marques



E-mail para Contato: redacao@sp.universal.org.br

Telefone: (11) 2392-3372

Endereço: Rua João Boemer, 254 - Brás, São Paulo

Cep: 03018-000