A consciência do pecado

Por bispo Edir Macedo / Foto: Thinkstock

Houve homens que Deus usou no passado que tinham um caráter excelente. É o caso de Noé. A Bíblia diz que era um homem justo e íntegro perante seus contemporâneos e andava com Deus. E porque andava com Deus foi escolhido e salvo, assim como toda a sua família.

Também Abraão foi um dos escolhidos. Oriundo dos semitas, isto é, de um dos filhos de Noé, chamado Sem, foi justificado e abençoado por causa da sua fé. Isto prova que o homem não é salvo por suas boas obras, pois, se não aceitar Jesus como único Senhor e Salvador, suas boas obras de caridade não poderão justificá-lo perante Deus, nem tampouco da fé no Senhor Jesus. É pelo ouvir a Palavra de Deus e praticá-la que nos tornamos justificados diante de Deus.

Veja que os homens usados por Deus foram justificados e abençoados pela fé e não por obras, embora estas sejam uma consequência do novo caráter que Deus nos concede, quando aceitamos Jesus no coração.

Igreja Universal do Reino de Deus faz uma obra belíssima, por meio de obras sociais; mas isto não a justifica para salvação, e sim a fé no Deus vivo, que é a base do cristianismo. Entretanto, houve um homem que, embora herdasse a bênção de Abraão, não foi correto nas suas atitudes.

Esse homem foi Jacó, que negociou com seu irmão Esaú um prato de lentilhas em troca do direito de primogenitura. E até a seu pai, Isaque, que estava cego, enganou, fazendo-se passar por Esaú. Jacó significa usurpador, enganador, aquele que tira vantagem da fraqueza alheia.

Observe, leitor, que ambos agiram de modo errado. Jacó porque tomou o que não lhe pertencia, e Esaú desprezou a bênção: "Tinha Jacó feito um cozinhado, quando, esmorecido, veio do campo Esaú e lhe disse: Peço-te que me deixes comer um pouco deste cozinhado vermelho, pois estou esmorecido... Disse Jacó: Vende-me primeiro o teu direito de primogenitura. Ele respondeu: Estou a ponto de morrer; de que me aproveitará o direito de primogenitura? Então disse Jacó: Jura-me primeiro. Ele jurou, e vendeu o seu direito de primogenitura a Jacó.

Deu, pois, Jacó a Esaú, pão e o cozinhado de lentilhas; ele comeu e bebeu, levantou-se e saiu. Assim desprezou Esaú o seu direito de primogenitura" (Gn.25:29-34).

Aí está o erro de muitas pessoas que se dizem cristãs; mas, não se comportam como tais, pois ainda se entregam às concupiscências dos olhos e do coração, não se importando se aquilo que desejam conflita com a vontade de Deus. Por isso, muitas estão por aí caídas, prostradas, desanimadas, frias na fé, porque vêm desprezando a bênção espiritual, para se agarrar a bênçãos materiais.

Esaú desprezou o que era mais importante na sua vida, e seu irmão, Jacó, aproveitando conquistou ilicitamente aquela bênção. Tudo o que Jacó colocava a mão prosperava; porém, ainda assim, gemeu e padeceu, sua vida foi marcada por derrotas espirituais, por causa de seu caráter mau.

Para casar-se com Raquel, a moça que ele amava, trabalhou sete anos, e no dia do casamento, seu sogro deu-lhe a irmã mais velha, Lia, como era o costume da época. Por Raquel trabalhou mais sete anos. Assim como enganou seu pai, foi enganado pelo sogro.

Se quisermos colher bons frutos amanhã, devemos plantar boas sementes hoje. E isto é uma lei fixa e Deus não vai ultrapassá-la. Veja que Jacó possuía a bênção de Abraão e de Isaque, mas mesmo assim ele padeceu. E somente depois que ele lutou com Deus, não só o seu caráter foi transformado como também teve o nome mudado para Israel.

Apenas quando há uma mudança verdadeira na vida do cristão é que ele passa a resplandecer a glória de Deus. Após o batismo no Espírito Santo, há uma transformação de caráter que passa a ser de acordo com o de Deus. Entretanto, Ele não obriga ninguém a submeter-se à Sua vontade e, mesmo tendo sido batizada, a pessoa pode entregar-se novamente às concupiscências e fazer coisas que desagradam a Deus.

Contudo, somente cairá na fé se quiser, porque o Espírito Santo passa a fazer parte da sua vida e, consequentemente, na hora da tentação, Ele aviva perfeitamente a mente da pessoa para as graves consequências; e ela só cai, conscientemente, por desejo maligno do próprio coração.

ler mais
Reportar erro

comentários

Carregar mais

Comunicar Erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente