Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 1 de abril de 2020 - 17:23


Coronavírus: Voluntários acompanham 127 mil idosos que não podem sair de casa

Programa social Calebe ampliou atuação a partir de abril. Telefonemas, mensagens e vídeo-aulas ajudam maiores de 60 abandonados em casa e em asilos

Para auxiliar os maiores de 60 anos — principais vítimas da Covid-19 — , principalmente aqueles que moram sozinhos, o programa social Calebe está monitorando e apoiando idosos em todo o Brasil, que estão obrigados a se manter em confinamento. A partir do início de abril, a iniciativa da Igreja Universal do Reino de Deus ampliou de 16 mil para 126.904 o número de pessoas dessa faixa etária acompanhadas pelos voluntários.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que o país tem 4,3 milhões de idosos morando sozinhos. Além de pertencerem ao grupo de risco, as pessoas dessa faixa etária estão enfrentando sérias dificuldades para realizar tarefas cotidianas, a partir da quarentena imposta em estados e municípios.

Por meio de telefonemas e mensagens, o Calebe mantém o contato com os amparados pela ação social. Se necessário, os voluntários prestam auxílio naquelas necessidades mais urgentes, como, por exemplo, uma ajuda para ir o ao médico, ou em tarefas que o confinamento impede de realizar.

O Calebe também proporciona vídeo-aulas de artesanato, violão e ginástica para que os maiores de 60 anos se mantenham ativos e motivados, mesmo com o impedimento de sair de casa. O programa social oferece, ainda, vídeos com orientações de nutricionistas e fisioterapeutas, para que possam manter a saúde física e mental.

Os voluntários do Calebe estão especialmente empenhados em localizar e identificar os idosos que moram sozinhos e estão passando necessidade.

Esta semana, por exemplo, a Universal identificou uma manicure de 71 anos de idade, que estava há dois dias sem comer em razão do confinamento que a impossibilita de trabalhar. Ela foi amparada por voluntários da Universal que entregaram cesta básica e passaram a acompanhar as necessidades dela.

Nas últimas semanas, muitos idosos foram encontrados mortos em suas casas, sozinhos, na Itália e na Espanha, vitimados pelo coronavírus e pelo abandono da família.

Ajuda além da companhia

Com o confinamento, muitas pessoas com mais de 60 anos perderam a condição financeira e não conseguem se manter.

Desde o início da quarentena, os voluntários do Calebe já distribuíram 3.155 cestas básicas, além de remédios, fraldas geriátricas, cadeiras de roda ou de banho, kits de higiene pessoal e roupas.

Antônio Santana, responsável pelo Calebe, destaca a importância da comunicação constante com o idoso. “Algumas pessoas da terceira idade não são carentes de comida, mas precisam de um amigo, de alguém para conversar. Estamos com nossa equipe de plantão por todo o país para dar atenção às pessoas”, explica.

Além de toda a assistência prestada, o programa social ensina aos idosos formas de combate e prevenção da Covid-19.

Todos os voluntários do Calebe, quando visitam os amparados pelo programa social, observam as recomendações do Ministério da Saúde para evitar a propagação do coronavírus.

Atendimento

O projeto disponibiliza um número nacional – WhatsApp, (11) 99571-9920 – para ajudar os idosos que estão aflitos, precisando de ajuda ou alguma orientação.


  • Unicom / Foto: Cedida 


reportar erro