“Uma voz me dizia para matar a mim e a minha filha”

Muitos anos da vida de Thayna de Souza foram marcados por abusos, frustrações amorosas e depressão


Por Camila Teodoro / Foto: Cedida e Mídia FJU

Após ter sido abusada sexualmente aos 7 anos, a professora Thayna de Souza Arrébola, hoje com 24 anos, tornou-se uma jovem revoltada e cheia de traumas. A tristeza e a indignação pelo que sofreu dominavam o seu interior constantemente.

Cuidados estéticos, bebidas alcoólicas e baladas foram as válvulas de escape dela para tentar obter alguns momentos de felicidade e prazer. “Eu gastava muito dinheiro com o objetivo de ficar mais bonita. Usava apliques no cabelo, nas unhas e cílios postiços. Vivia montada, tentando preencher o meu vazio”, pontua.

A separação dos pais ainda quando criança refletiu na área amorosa. “Eu queria muito ser feliz, formar uma família e não ter uma história igual à dos meus pais, pois cresci com muita tristeza de vê-los separados. Mas a história se repetia: não conseguia ser feliz amorosamente”, relembra.

Os relacionamentos de Thayna eram sempre marcados por brigas, ciúme e insegurança. “Eu já tinha tido um namoro frustrado quando comecei a me relacionar com outro rapaz, com quem tive minha filha. A situação era cada vez pior. Era um relacionamento abusivo, com agressões físicas, verbais e traições por parte dele. Depois, houve a
separação”, diz.

Fundo do poço
Thayna afirma que o pior momento de sua vida foi quando se viu em um quarto escuro, com depressão, síndrome do pânico e desejo de suicídio. “A solidão e a tristeza ocasionaram as doenças. Descobri logo depois que tive a minha filha. Era para ser um momento feliz, mas a angústia me consumia cada vez mais. Meu relacionamento e minha vida estavam um fracasso.”

Os dias dela eram marcados por choro, isolamento e audição de vozes. “Não tinha força nem para me alimentar. Uma voz me dizia para matar a mim e a minha filha, pois eu não servia mais para nada. Vivia no quarto trancada com ela”, declara.

Uma luz
Thayna conheceu o trabalho da Universal por meio de sua prima, que a convidou para participar de uma reunião. “Não resisti ao convite e fui à Igreja no dia seguinte. E foi a partir daquele momento que entrei na Igreja que minha história mudou, pois lá encontrei o Único que pôde me ajudar.”

Ela reconhece que hoje seu interior está todo restaurado, pois foi preenchido com a verdadeira alegria vinda de Deus. “Agora, tenho paz. Deus me deu sabedoria para agir em tudo, principalmente como mãe. Me curou da depressão e dos traumas do passado. Amo viver, até porque vivo para Ele. Quem antes tinha um semblante de trevas agora transmite um ar de riso e tranquilidade”, finaliza.

ler mais
Notícias relacionadas
Reportar erro

comentários

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Uma voz me dizia para matar a mim e a minha filha”

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente


Fake news

Você sabe de alguma notícia falsa que tem circulado na internet sobre a igreja Universal? Relate aqui o caso que iremos trazer toda a verdade no site Mitos e Verdades

Formulário de Denúncia

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente


Expediente

Editora Executiva:

Cinthia Meibach

Coordenadora de Conteúdo:

Ivonete Soares

Repórteres:

Andre Batista, Daniel Cruz, Débora Picelli, Jeane Vidal, Michele Roza, Rafaella Rizzo, Sabrina Marques, Rafaela Dias



E-mail para Contato: redacao@sp.universal.org.br

Telefone:(11) 2392-3372

Endereço Rua João Boemer, 254 - Brás, São Paulo

Cep: 03018-000

Free WordPress Themes, Free Android Games