O maior desafio de uma mãe

Conheça a história de Sarah que sofreu com a depressão desde a infância e a luta de sua mãe para salvá-la


Por Jeane Vidal / Fotos: Cedidas

No programa Entrelinhas do último domingo (12) –  Dia das Mães -, apresentado pelo Bispo Renato Cardoso e a esposa, Cristiane Cardoso, pudemos conhecer a luta de uma mãe para salvar a vida da filha.

Sarah era uma criança que tinha tudo para ser feliz. Ela vivia em uma família bem estruturada emocionalmente e economicamente, dispunha de todo conforto material, podia ter os brinquedos que desejasse e possuía acesso a muito lazer.

Uma criança deprimida

Contudo, aos seis anos de idade Sarah (foto à esquerda) já dava indícios de que algo de errado havia com ela. Não era normal uma criança como ela, cercada de amor, afeto, proteção e conforto, ser tão triste e retraída.

Mas, mesmo tendo sido alertada pela professora sobre o comportamento da filha, Rosângela, a princípio, não levou em consideração. Como profissional da saúde, ela não queria admitir que a filha tinha uma patologia.

Contudo, o diagnóstico de depressão veio justamente nessa época: quando Sarah tinha 6 anos.

A partir daí seus pais iniciaram uma busca incessante para solucionar o problema de Sarah.  Tentaram de todas as formas fazê-la reagir. Para incentivá-la a desenvolver habilidades sociais, a matricularam em esportes como natação, tênis e hipismo. Recorreram ainda a instrumentos musicais, como piano e violino. Mas, nada resolvia.

“Ela sempre foi muito tímida, então me falavam para colocá-la em atividades individuais. Mas isso era uma tortura para Sarah”, recorda-se Rosângela (foto à direita).

Uso de antidepressivos

Aos 13 anos, mesmo contrariada, Rosângela decidiu ceder a insistência do marido, que também é da área médica, de iniciar o tratamento à base de remédios antidepressivos.

“Eu tinha uma tristeza constante, acordava triste e ia dormir triste, não sabia o porquê. Quando era criança eu chorava, mas quando comecei a tomar remédios eu consegui controlar o choro. Uma parte da tristeza foi controlada com os remédios”.

Nesse ínterim, no intuito de esconder sua agonia, Sarah passou a viajar para vários lugares do mundo. As viagens lhe serviam como uma válvula de escape. Para quem a via de fora, sua vida era um sonho. “Minhas redes sociais eram perfeitas. As meninas da minha idade falavam que queriam ter a minha vida. Mas, fora das redes sociais a minha vida era em preto e branco”, admite.

Felicidade aparente

Sarah esteve nos cartões postais mais famosos e desejados do mundo. Conheceu mais de 40 países, lugares paradisíacos, paisagens exuberantes, mas nada disso conseguia fazer cessar a dor que sentia na alma.

Quando criança, eu tentava preencher esse vazio com brinquedos. Conforme crescia, fui entrando em esportes. Só mudava a categoria do consumo, mas a busca era a mesma: eu queria preencher aquele vazio de alguma forma”, desabafa.

Para Rosângela, a maior afronta era o fato de eles serem proprietários de uma policlínica, na qual suas principais especialidades eram a psiquiatria e a psicologia e, no entanto, não conseguiam ajudar a própria filha.

O auge do sofrimento de Sarah foi aos 21 anos, quando em decorrência da depressão, a jovem desenvolveu fibromialgia, uma síndrome caracterizada com a presença de dor musculoesquelética crônica generalizada.

A partir daí, apesar de ter nascido em berço evangélico, Sarah começou a ver a morte como sua única saída.

Fé despertada

“A Sarah foi criada dentro dos princípios bíblicos, ela foi consagrada a Deus ao nascer, por isso, eu considerava tudo isso uma afronta. Eu me perguntava: como Deus permite que isso aconteça na minha casa? ”, questionava Rosângela.

Porém, com esses questionamentos vinham também pensamentos de aceitação, do tipo: “há problemas que a gente precisa passar”.  Além disso, ela não encarava o problema de Sarah como “espiritual” e sim como uma doença que devia ser tratada com remédios.

Para o Bispo Renato Cardoso, mesmo se tratando de uma doença física, isso não nos impede de recorrer à fé. Pois, a Bíblia está repleta de exemplos de doentes que foram curados por meio da fé.

Três passos para vencer a depressão

Inclusive, no decorrer do programa o Bispo Renato ensina os 3 passos necessários para vencer a depressão ou qualquer outro problema na vida.

Foram, justamente, esses três passos que Rosângela teve que dar para enfrentar o seu maior desafio como mãe: salvar a vida de Sarah.

Hoje, aos 25 anos, Sarah, está completamente curada da depressão e da fibromialgia e, mais do que isso, ela possui dentro de si o Autor da vida: O Espírito Santo.

Para saber quais são esses três passos e como se deu o processo da cura de Sarah, acompanhe o programa na íntegra pelo Univer Vídeo.

Prepara-se: vem aí o Jejum de Daniel

Entre os dias 19 de maio e 9 de junho, acontecerá o propósito “Jejum de Daniel” para o avivamento do Espírito Santo. O encerramento será no dia de Pentecostes com o derramamento do Espírito Santo, direto do Cenáculo de Jerusalém. Se você deseja esse avivamento espiritual participe dos encontros que acontecerão no domingo próximo, no Templo de Salomão ou em uma Universal mais próxima de sua casa.

ler mais
Notícias relacionadas
Reportar erro

comentários

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O maior desafio de uma mãe

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente


Fake news

Você sabe de alguma notícia falsa que tem circulado na internet sobre a igreja Universal? Relate aqui o caso que iremos trazer toda a verdade no site Mitos e Verdades

Formulário de Denúncia

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente


Expediente

Editora Executiva:

Cinthia Meibach

Coordenadora de Conteúdo:

Ivonete Soares

Repórteres:

Andre Batista, Daniel Cruz, Débora Picelli, Jeane Vidal, Michele Roza, Rafaella Rizzo, Sabrina Marques, Rafaela Dias



E-mail para Contato: redacao@sp.universal.org.br

Telefone:(11) 2392-3372

Endereço Rua João Boemer, 254 - Brás, São Paulo

Cep: 03018-000

Free WordPress Themes, Free Android Games