Trombose e os riscos de morte

Saiba como Eliane Silva usou a fé para vencer o diagnóstico


Por Kelly Lopes  / Fotos: Cedidas

Em outubro de 2018, a comerciante Eliane da Silva Paes, de 45 anos, buscou ajuda médica ao sentir uma forte dor na panturrilha esquerda. Ela relata que, além da dor, o local estava inchado e vermelho.

O médico solicitou um exame de imagem chamado Eco-color Doppler (ultrassom vascular que permite fazer imagens precisas das veias). Com os resultados veio o susto: Eliane estava com trombose, coágulo sanguíneo no sistema venoso profundo e no sistema venoso superficial. O sistema venoso é uma parte importante do sistema circulatório, em que o sangue é transportado dos membros inferiores (pernas) de volta ao coração.

De acordo com os médicos, sua saúde estava em risco e ela poderia até morrer, caso o coágulo se movesse da corrente sanguínea para o cérebro e causasse um acidente vascular cerebral (AVC) ou ainda se atingisse o pulmão e obstruísse o fluxo de sangue, o que resultaria em uma embolia pulmonar.

O médico receitou um medicamento anticoagulante para afinar o sangue e dissolver o coágulo, porém avisou que a medicação lhe traria riscos de hemorragia. Caso Eliane tivesse tosse ou falta de ar, ela deveria retornar imediatamente ao hospital. O especialista orientou ainda que ela ficasse por 21 dias em repouso com as pernas para cima, o que aliviaria a dor e ajudaria na circulação do sangue.

A comerciante já tinhaperdido uma irmã, que faleceu aos 27 anos em decorrência de um AVC, e tem um irmão que vive com sequelas causadas pela mesma patologia.

Fé e confiança em Deus
Eliane já frequentava a Universal, mas revela que a enfermidade serviu para despertar sua fé. “Vi minha fé renascer, pois antes eu estava acomodada. Era como se eu estivesse dormindo na Igreja. Decidi lutar e usar a fé contra essa doença que assolava minha vida e família”, declarou.

Durante os dias em que esteve em repouso, ela pedia para que a cunhada e a sobrinha trouxessem a água do tratamento, apresentada a Deus aos domingos, na Universal, em favor dos enfermos.

“Eu lavava a minha perna com a água e a usava para tomar o comprimido. Isso fazia parte do meu tratamento. Eu determinava com Deus nas minhas orações que não teria hemorragia e que seria curada para honra dEle.”

Passados os 21 dias de repouso absoluto, a comerciante voltou a frequentar as reuniões da Universal, mas ainda não conseguia levantar a perna. Por conta disso, com muita dificuldade, ela se locomovia e “puxava” a perna esquerda durante boa parte do caminho. “As pessoas próximas diziam para que eu não saísse de casa, mas eu confiei em Deus e continuei usando a fé. Não foi fácil. Fiquei seis meses nessa situação, mas não desanimei. Estava decidida a alcançar minha cura e a glorificar a Deus através dela.”

A cura
Fazendo uso da fé e com acompanhamento médico, no dia 5 de outubro do mesmo ano, após a realização de novos exames, a cura foi detectada. Segundo os médicos, as veias de Eliane estavam restauradas e com fluxo venoso em todos os vasos.

A comerciante segue usando a água do tratamento e frequentando as reuniões. Após a cura, ela se voluntariou no Grupo da Saúde, um projeto da Universal que realiza visitas em hospitais, levando aos pacientes e seus familiares apoio espiritual por meio de palavras de fé e esperança. “Por meio desse trabalho, uso o que aconteceu comigo para glorificar a Deus e ajudar pessoas que se encontram doentes, como eu já estive. É muito gratificante”, finalizou.

O que é a trombose e quais danos ela pode causar?

De acordo com o Ministério da Saúde (MS), trombose é a formação de um coágulo sanguíneo em uma ou mais veias grandes das pernas e das coxas. Ainda de acordo com o MS, a trombose é considerada uma causa de morte global e leva a óbito uma a cada quatro pessoas no mundo.

Esse coágulo bloqueia a passagem de sangue. Os principais sintomas são dores e inchaço na região, queimação e alteração na cor da pele. Quando o coágulo se desprende e se movimenta na corrente sanguínea, ocorre o processo chamado de embolia. O coágulo pode chegar ao cérebro e causar um acidente vascular cerebral (AVC) ou aos pulmões e provocar uma embolia pulmonar. Essas situações levam ao risco de morte. O coração e outras áreas também podem ser afetadas e sofrer lesões graves.

Os membros inferiores são os locais mais comuns de ocorrência de trombose. As mulheres são mais afetadas por ela, em virtude do uso de anticoncepcionais e pela gestação, mas os homens também são acometidos.

Além da hereditariedade, a trombose possui várias causas que podem ser prevenidas com a adoção de algumas medidas no dia a dia: caminhadas regulares, controle do peso corporal, deixar de fumar e não permancer longos períodos sentado, ou seja, levantar e se movimentar. Também é recomendado o uso de meias elásticas no caso de insuficiência venosa, de acordo com orientação especializada. Aos primeiros sintomas, procure imediatamente um médico.

ler mais
Notícias relacionadas
Reportar erro

comentários

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Trombose e os riscos de morte

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente


Fake news

Você sabe de alguma notícia falsa que tem circulado na internet sobre a igreja Universal? Relate aqui o caso que iremos trazer toda a verdade no site Mitos e Verdades

Formulário de Denúncia

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente


Expediente

Editora Executiva:

Cinthia Meibach

Coordenadora de Conteúdo:

Ivonete Soares

Repórteres:

Andre Batista, Daniel Cruz, Débora Picelli, Jeane Vidal, Michele Roza, Rafaella Rizzo, Sabrina Marques, Rafaela Dias



E-mail para Contato: redacao@sp.universal.org.br

Telefone:(11) 2392-3372

Endereço Rua João Boemer, 254 - Brás, São Paulo

Cep: 03018-000

Free WordPress Themes, Free Android Games