O desemprego e a economia do País

Em tempos difíceis é preciso ter uma nova visão para escrever uma história de superação


Por Kelly Lopes / Foto: Fotolia

Quem frequenta as reuniões da Universal aprende que por meio da fé colocada em prática é possível contrariar cenários negativos, como crises na economia e baixas expectativas do mercado financeiro, e assim alcançar êxito em seus negócios. É o que provam inúmeros testemunhos de pessoas que participam nas palestras, em especial às segundas-feiras, e aprenderam a aliar a fé inteligente ao trabalho e prosperaram.

Em uma dessas reuniões, o Bispo Edson Costa afirmou que a fé vai na contramão de qualquer realidade: “Deus não está em crise, os céus não estão em crise, em todas as épocas da Bíblia, Deus levantava um profeta para acabar com a crise”, disse.

Ele argumentou ainda que, mesmo em tempos difícéis, como o que vivemos atualmente, grandes empresários cresceram porque, enquanto outros reclamavam e olhavam para trás, souberam aproveitar as oportunidades.

O Bispo exemplificou com uma história bíblica: “o próprio Isaac, filho de Abraão, ficou com medo da crise na cidade onde morava e arrumou suas coisas para ir embora, porém Deus mandou que ele permanecesse e lhe prometeu que prosperaria. Isaac obedeceu e assim aconteceu. A questão é: sua fé está em crise? Porque se ela não estiver em crise, mesmo que a fase seja difícil, você fará a diferença e se tornará uma história de superação”, destacou.

Contudo em paralelo à fé que torna tudo possível quando colocamos em prática os ensinamentos adquiridos, não podemos desprezar o importante momento atual do Brasil, que caminha rumo às urnas.

O clima político
Para explicar a maneira como a política reflete na economia, a Folha Universal ouviu o economista e mestre em ciência política Ricardo Caldas. Ele salientou que havia uma expectativa de crescimento econômico no País, porém o clima político mudou essa perpectiva. “A expectativa de crescimento era de 2% a 3%, porém o clima político contaminou essa ascensão. As avaliações baixaram para 1,5%. A possibilidade de de crescimento nessas avaliações existe, mas apenas a partir do ano que vem e apoiada no novo governo”, afirmou Caldas.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no segundo trimestre de 2018 faltou emprego para 27,6 milhões de brasileiros. No mesmo período, o desemprego no País foi de 12,4%, em média, segundo o mesmo levantamento.

Para o economista, a responsabilidade por esse alto índice de desempregados não é apenas do atual governo, mas de um processo que vem se agravando desde governos anteriores.

“O aumento do desemprego decorre de um conjunto de fatores que se intensificou com a incerteza política depois que o atual governo assumiu e permaneceu no controle do País. Muitos empresários deixaram de investir e retiveram o capital e isso reflete em falta de empregos”, avaliou.

Investir ou esperar?
Questionado quanto à atitude de muitos empresários adiarem seus investimentos e novos empreendedores aguardarem por momentos menos incertos para dar início a seus projetos, Caldas pontuou que trata-se de um comportamento racional, mas fez um alerta: “nenhum investidor se sente seguro na incerteza, mas, se todos ou a maioria tomarem essa atitude, a consequência será a manutenção do atual nível econômico e do desemprego e não teremos nenhum progresso”, afirmou.

Caldas lembra que quem cria empregos é o empresário. Os do governo só são gerados por meio de concursos e dependem da arrecadação pública. Ele pontua que o setor empresarial, responsável por alavancar a economia do País, apenas investirá em ambientes de certeza e crescimento.

“O papel do governo é criar um ambiente favorável para que a economia possa funcionar corretamente. Quando ele não consegue meios para que isso aconteça, a economia trava, o que resulta na ausência de novos investimentos e, consequentemente, falta de novas contratações”, esclareceu.

De acordo com Caldas, a reforma trabalhista criada pelo atual governo gerou expectativas no setor contratante, ao estimular o contrato parcial para horas de trabalho. Ele apontou ainda a legislação trabalhista de países desenvolvidos como a Alemanha, Estados Unidos e Reino Unido. Na Alemanha, por exemplo, não existia salário mínimo até 2015, já nos outros dois países não existe e o cálculo é feito por horas de trabalho.

O mestre em ciência política defende que “a lógica é contrária ao que as pessoas pensam. Quanto maior facilidade houver na hora de demitir e contratar, maiores serão as contratações. Isso é bom para o empregador que não teria de pagar multas somadas à proteção social e para o funcionário, que encontrará mais opções de contratação no mercado. Duas coisas desestimulam as contratações: a recessão e a legislação rigorosa”, afirmou.

Na opinião de Caldas, um bom governo é aquele que apresenta propostas voltadas para a flexibilização das leis trabalhistas, em que o mercado é atuante e o controle é menor. “O governo não pode controlar a economia, pois ela caminha sozinha. O seu papel é estabelecer regulamentos, orientar o mercado, mas não o guiar”, argumentou.

Um bom exemplo é o controle de preços, algo que o governo pode fazer, porém não deve. Essa ação afeta a lei de mercado (de oferta e procura). Propostas que não favoreçam o livre mercado e a competição não resultarão em um bom governo, ” finalizou.

O desenvolvimento da nação está ligado às condições de crescimento apresentadas pelo governo. Por isso, no dia 7 de outubro, o eleitor precisa votar conscientemente. Para isso, leia, apure, pesquise e esteja ciente quanto aos planos de seus candidatos.

Congresso para o Sucesso 

Uma reunião que inspira novas ideias e traz motivação para superar desafios financeiros. Todas as segundas-feiras no Templo de Salomão em uma Universal mais próxima de você. Confira horários e endereços aqui

ler mais
Notícias relacionadas
Reportar erro

comentários

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O desemprego e a economia do País

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente


Fake news

Você sabe de alguma notícia falsa que tem circulado na internet sobre a igreja Universal? Relate aqui o caso que iremos trazer toda a verdade no site Mitos e Verdades

Formulário de Denúncia

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente


Expediente

Editora Executiva:

Cinthia Meibach

Coordenadora de Conteúdo:

Ivonete Soares

Repórteres:

Andre Batista, Daniel Cruz, Débora Picelli, Jeane Vidal, Michele Roza, Rafaella Rizzo, Sabrina Marques, Rafaela Dias



E-mail para Contato: redacao@sp.universal.org.br

Telefone:(11) 2392-3372

Endereço Rua João Boemer, 254 - Brás, São Paulo

Cep: 03018-000

Free WordPress Themes, Free Android Games