Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Bispo Macedo | 16 de outubro de 2019 - 00:01


O Fruto do Espírito

Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Gálatas 5.22

Parece falha no texto. Paulo relaciona nove virtudes, mas um só fruto. Fruto, no singular, significa o coração. Não o coração adâmico, de pedra e rebelde, mas o novo coração de carne, transplantado pelo Espírito Santo.

Este verso poderia ser lido assim: Mas o coração do Espírito é: amor, alegria… Dar-vos-ei coração novo e porei dentro de vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne. Ezequiel 36.26

Obrigatoriamente, os nascidos do Espírito têm novo coração e novo espírito. Novo espírito significa nova mente, a mente Divina. I Coríntios 2.16

Por isso, o novo coração reúne nove virtudes que identificam o caráter de Deus.

Como virtude do novo coração, o tipo de amor em questão não tem nada a ver com o sentimento possessivo, egoísta e carnal tão amado, idolatrado e cultivado neste mundo. Muito pelo contrário!

O amor, bem como as demais virtudes do novo coração, é como o do Eterno. Ele amou ao mundo de tal maneira, que deu Seu Único Filho para que todo o que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna. João 3.16. Esse tipo de amor bate de frente com o amor amado deste mundo. Sem a transformação realizada pelo novo nascimento, é impossível compreender isso.

O amor de Deus foi e tem sido sacrificial. Nada a ver com sentimento.
Quem ama com o coração do Espírito de Deus sacrifica pela amada e vice-versa. Porque assim como a fé, o amor exige sacrifícios.
Quem ama não quer casar para ser feliz, mas quer fazer o amado feliz.
Quem ama ao Senhor Jesus Cristo quer Lhe agradar com uma conduta sacrificial.


reportar erro