Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Bispo Macedo | 19 de maio de 2014 - 18:08


Fé atrevida



Quando se manifesta a fé atrevida, não há espaço para timidez ou qualquer sintoma de covardia. Antes, há arrojo e até impertinência, tamanha a convicção.
De fato, a fé violenta o inferno, arrasa as dúvidas e impõe seu poder.
Não há como resistir ao poder da fé viva no Deus Vivo.
A plenitude da vida se estabelece de forma singular.

As sensações de medo, insegurança e fraqueza são simplesmente neutralizadas pela força maior.
Sentimentos como: ausência de méritos, consciência impura ou argumentos religiosos, tais como: minha cruz, meu carma, provação, destino, penitência purificadora, nasci pra sofrer, não tem jeito pra mim enfim, tudo o mais que contraria a fé inteligente é derrubado por conta dos direitos adquiridos da fé nas Promessas de Deus.

Dez leprosos foram curados. Só um voltou para agradecer. Mesmo previamente sabendo da ingratidão dos nove, Jesus curou todos.
Os nove não mereceram. Mas foram beneficiados porque acreditaram nEle como Profeta. E isso foi suficiente.

A parábola do religioso e o pecador é outro exemplo de que a fé ignora merecimentos.

Dois homens subiram ao templo com o propósito de orar: um, fariseu, e o outro, publicano. O fariseu, posto em pé, orava de si para si mesmo, desta forma: Ó Deus, graças Te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros, nem ainda como este publicano; jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho. O publicano, estando em pé, longe, não ousava nem ainda levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, sê propício a mim, pecador! Digo- vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele… Lucas 18.10-14

O religioso usou a fé-burra. Teve fé na sua prática religiosa. Perdeu.
Já o pecador manifestou fé na compaixão Divina. Foi atendido.
Quer dizer: com Deus o que vale é a fé na Sua Palavra. Se houver manifestação da fé nEle, o resultado pode ser até imediato. Não há qualquer empecilho ou limite para o resultado da fé viva no Deus Vivo.

Recupera o tempo perdido, faz o velho projetar o futuro, os jovens serem visionários…
Faz de doméstica iletrada ser bem-sucedida empresária entre o empresariado nacional.
Por que não?
A fé ignora os recursos humanos e faz possível qualquer impossível.
Até a morte se inclina perante ela!
Porque associa o fervoroso a Deus.
Torna-se sócio do Deus Altíssimo.


reportar erro