USA
 

Liberte-se da hipocrisia

Não são poucos os que têm confessado a fé cristã e têm vivido uma vida fracassada

Alguém já disse que se o boi soubesse da força que tem jamais se deixaria ser dominado. Desgraçadamente, o mesmo também tem acontecido com a maioria dos cristãos. Não conhecem o tamanho da sua força, quando estão na presença de Deus, caso contrário, o diabo jamais teria vez neste planeta.

Infelizmente, temos visto em todo o mundo, a Igreja do Senhor Jesus sendo escravizada como um boi, sem se dar conta da sua verdadeira condição. É bem verdade que não lhe faltam doutrinas, literatura ou reconhecimentos teológicos; entretanto, tudo isso não tem significado muita coisa, pois, na prática, muitos dos seus membros são oprimidos por espíritos enganadores que, muitas vezes, se apresentam com capa religiosa.

Em todo o mundo, a Igreja, com raras exceções, vive na posição de conquistada, mendigando junto aos governos e autoridades uma oportunidade para falar de Deus, amargando indiferenças ou perseguições. Tem sido, de um modo geral, derrotada, diante dos desafios do cotidiano. Muitas vezes, chego a pensar até que o diabo, de tão grande a passividade da maioria dos cristãos, pode até tirar longas e proveitosas férias.

Não são poucos os que têm confessado a fé cristã e têm vivido uma vida fracassada e infeliz, de tal maneira, que até parecem ter parte com o inferno. Isso tem acontecido, porque muitos líderes cristãos, a exemplo de Balaão, deixam-se contaminar com espíritos enganosos como, por exemplo, o espírito do ecumenismo e, em nome de uma suposta paz, entregam a herança do Senhor, que é o Seu povo, ao Balaque romano.

A verdade é que o espírito do anticristo tem obscurecido a visão de alguns líderes cristãos, ao ponto de levá-los a tentar proibir Deus de agir ao Seu modo no mundo. Assim, quando o Senhor faz surgir um movimento vivo, de fé, então, os profetas velhos, que sempre vivem em desarmonia, de repente, se unem "ecumenicamente" para lançar pedras, de forma escandalosa, acintosa e indecente.

Eu não ficaria assombrado se um anjo me dissesse que há mais demônios dentro de certas igrejas do que fora delas. Certos movimentos considerados espirituais ou avivalistas, atribuídos à ação do Espírito Santo, como por exemplo, a doutrina de "cair pelo poder de Deus", ou outro modismos que têm aparecido nas igrejas, parecem confirmar a minha desconfiança.

Aqueles que despencam no chão, acreditando que isso é arrebatamento do Espírito Santo, estão tão cegos quanto aquela turba com espadas e cacetes, comandada por sacerdotes e anciões, que veio para prender Jesus e caiu por terra diante d’Ele (João 18.6). A queda daquelas pessoas diante de Jesus não se deu em razão do enchimento do Espírito Santo, mas devido à manifestação dos espíritos imundos que nelas estavam.

Se estivessem cheias do Espírito, jamais teriam prendido o Senhor Jesus ou exercido qualquer ação  contra a Sua obra. Aquele que realmente tem o Espírito Santo não se levanta contra o Reino de Deus, pois esse mesmo Espírito concede o discernimento necessário para que a pessoa possa, pelos olhos da fé, identificar a verdade.

Não podemos esquecer que, infelizmente, os que acusaram, prenderam e mataram Jesus foram, essencialmente, os religiosos do seu tempo; os profetas velhos: anciãos e sacerdotes das religiões tradicionais, com suas estruturas religiosas falidas e falsa espiritualidade, acomodada nos seus dogmas e ritos. Não podiam suportar o desmascaramento das suas crenças e, por isso mesmo, viviam da hipocrisia e da mentira.

Tem sido este o pão de cada dia dos profetas velhos até hoje. Felizmente, O senhor Jesus está alertando o Seu povo e tirando a Sua Igreja do estado de falência espiritual a que chegou.

Comentário

Qual a sua opinião sobre essa matéria?
Lembramos que este espaço é reservado somente para comentários referentes à matéria em questão.
Somente comentários relevantes serão autorizados.
Pedidos de oração e orientação podem ser feitos na página do Pastor Online: www.universal.org/pastoronline.
Sugestões e reclamações podem ser enviados para redacao@universal.org.br.



Nossas Sugestões

Nossas sugestões

x
Próximo