USA
 

Vai viajar a trabalho? Cuidado com os exageros e as gafes

Beber além da conta, flertar com o colega, atrasar-se para a reunião ou gastar a verba da empresa com turismo encabeçam a lista de erros mais cometidos

Quando você toma conhecimento de que vai viajar a trabalho, qual o primeiro pensamento que lhe vem à mente? Cumprir sua metas ou fazer aquele turismo tão esperado? Dá para realizar ambos os planos, concorda? O fato é que as viagens corporativas nem sempre agradam a alguns profissionais, mas para quem curte conhecer novos lugares e pessoas é um ótimo programa.

É aí que mora o perigo. A empolgação, às vezes, faz você esquecer certos detalhes que podem prejudicar sua imagem dentro da empresa. A começar, é claro, pelo óbvio: você viajou a trabalho. Seja por desconhecimento, inexperiência ou mesmo esperteza, você acaba caindo em armadilhas que mancham sua imagem. Oito erros clássicos, inclusive, podem ser fatais na sua carreira.

Hospedagem, verba da empresa, deslocamento, alimentação… Detalhes que muitas vezes passam despercebidos, mas que podem significar até mesmo uma demissão por justa causa. Afinal, não é porque a empresa lhe deu um cartão corporativo, uma estadia em um bom hotel ou convites para aquela balada, que você vai esbanjar. O mais prudente, segundo especialistas, é ser moderado.

O gerente regional de vendas Ricardo Lichirgu, de 35 anos, viaja a trabalho ao menos duas vezes por mês. Funcionário de uma empresa de rastreamento de veículos via satélite, o paulista radicado no Recife trabalha com uma equipe de 12 pessoas em estados das regiões Nordeste e Norte e conta que orientação é palavra de ordem nas viagens corporativas. Para ele, dois pontos são essenciais para manter uma boa imagem.

"Creio que as despesas em excesso e o fator bebida são os mais preocupantes para quem viaja a trabalho. Conheço casos de pessoas que foram demitidas porque se excederam nesses pontos", revela. Para Lichirgu, a experiência profissional mostra que o ideal é manter um planejamento sobre as obrigações profissionais. Feito isso e cumpridas as metas, é hora da diversão.

Mas afinal, quais são os erros mais comuns nas viagens corporativas? Segundo especialistas de recursos humanos, são oito os casos: gastos em excesso, bebida, despesas com transportes, hospedagem, horários, comunicação, uso de cartão corporativo e flertes entre funcionários. Parece bobagem e talvez você ache que trata-se de situações normais. Até são. Só que se você "pisar na bola", seu futuro profissional pode ir pelo ralo.

De acordo com Lúcia Barros, especialista em recursos humanos, atualmente as empresas têm dado atenção especial às regras de conduta dos funcionários durante as viagens corporativas. "Cada vez mais as empresas têm buscado criar processos empresariais para proteger a imagem e os valores que acreditam. Quem não tem, está em fase de criação, até porque determinados erros podem ser passíveis de demissão por justa causa amparada por lei", explica. A preocupação faz sentido.

Para começar, lembre-se que você está sempre em avaliação, não importa o cargo e o quão você veste a camisa da empresa. No ambiente de trabalho ou nas viagens, a conduta deve ser a mesma. E se a empresa não tiver uma espécie de código de conduta? Aí o bom senso deve prevalecer. E não esqueça: geralmente em eventos corporativos você pode encontrar pessoas do mesmo nicho de trabalho. Um deslize, ainda mais em tempos de redes sociais, pode gerar um tremendo aborrecimento.

Prudência

Na dúvida ou na ausência de regras previamente definidas pela empresa, preze pela discrição. Dê atenção especial a três pontos importantes: bebida, despesas e relacionamento. No primeiro caso, a dica de analistas de RH é não exagerar, beber o suficiente para relaxar. Ainda mais se no outro dia você tiver compromissos profissionais logo cedo. Não deixe que o famoso "happy hour" se transforme numa noitada.

"O mais prudente é que as empresas criem mecanismos de educação entre os funcionários, mostrando regras de convívio que prezem pela imagem de todos e da empresa”, reforça Lúcia Barros. Sobre os gastos, ela destaca que atualmente as empresas têm como comprovar se o funcionário passou da conta. "Muitas vezes, elas se baseiam pelo valor de mercado. Se o trabalhador gastar menos do que a cota permitida, não há problema. Basta ter planejamento."

Outra questão importante é quanto aos relacionamentos. Algumas corporações, inclusive, orientam os funcionários a não se envolverem com colegas de setores iguais. "Às vezes, as pessoas esquecem que mesmo em uma viagem corporativa estão a trabalho. Orientamos os profissionais a evitarem esse tipo de situação, até por que há observadores", completa Ricardo Lichirgu.

Saiba mais

Veja oito erros que você não deve cometer nas viagens a trabalho

Horários - evite chegar atrasado a eventos corporativos, ainda mais se o motivo for turismo. Planeje com antecedência suas obrigações e deixe a diversão para quando finalizar suas tarefas profissionais;

Verba da empresa - gaste o essencial para que seu trabalho seja realizado com eficiência. Almoços e jantares fazem parte da rotina, mas devem ser consumidos com moderação. Lembre-se: estar com o dinheiro da empresa em mãos não quer dizer que você pode torrá-lo nos melhores restaurantes da cidade;

Transporte - use a verba destinada a este item para suprir suas necessidades profissionais. O turismo fica por sua conta. Não peça aos taxistas para alterarem a rota da corrida para tentar faturar um ‘extra’. Se descoberto, você pode ser demitido por justa causa;

Hotel - independentemente do "quilate" do local, evite levar acompanhantes para visitá-lo no hotel. Sua estadia é destinada ao seu descanso. Se quer levar algum conhecido, faça quando viajar por conta própria;

Comunicação - desligar o celular ou não retornar as chamadas da empresa deve ser evitado. Se está com o telefone corporativo, atenda as chamadas. Se não puder em determinado momento, retorne a ligação assim que possível;

Cartão corporativo - se a empresa fornecer essa ferramenta, use-a para pagar as despesas extras do contrato durante a viagem. Baladas e gastos pessoais ficam fora dessa lista. Nunca duvide do departamento financeiro da sua empresa: ele pode rastrear todos os seus gastos e descobrir os excessos;

Relacionamento - jamais esqueça que você está representando a sua empresa e tem uma reputação a manter. Evite flertar com outros profissionais do mesmo setor se estiverem no mesmo evento. Prefira o ambiente fora do trabalho;

Bebida - fique atento ao famoso "happy hour" e às confraternizações. Se você não tem o hábito de beber, evite excessos e seja moderado, principalmente na presença de chefes. Gastos com bebidas alcoólicas devem pagos por você.

Comentário

Qual a sua opinião sobre essa matéria?
Lembramos que este espaço é reservado somente para comentários referentes à matéria em questão.
Somente comentários relevantes serão autorizados.
Pedidos de oração e orientação podem ser feitos na página do Pastor Online: www.universal.org/pastoronline.
Sugestões e reclamações podem ser enviados para redacao@universal.org.br.



Nossas Sugestões

Nossas sugestões

x
Próximo