USA
 

Como morreram os apóstolos de Jesus?

Enquanto Tiago (irmão de João) e Judas têm suas mortes relatadas na Bíblia, o fim dos outros é especulado pela tradição e parcos indícios históricos

Os famosos apóstolos de Jesus Cristo eram homens comuns, chamados por Ele para ajudar a divulgar a Palavra de Deus. Eram pastores, pescadores, coletores de impostos e outras funções bem comuns, porém, indispensáveis ao cotidiano. Apesar da honra de acompanhar os passos do Messias e continuar a espalhar o Evangelho após sua morte, ressurreição e subida aos céus, o próprio Jesus os advertia de que a vida não seria nada fácil para todos eles. Os riscos não seriam poucos.

"E até pelos pais, e irmãos, e parentes, e amigos sereis entregues; e matarão alguns de vós.
E de todos sereis odiados por causa do meu nome."
Lucas 21.16,17

Ainda assim, escolheram o caminho de Cristo, por amor a Deus – exceto Judas Iscariotes, que tinha outros interesses, embora Jesus tivesse profetizado o fato e a Palavra ateste que havia a influência de Satanás. Todos sabiam que, como o Messias, eles também seriam perseguidos.

“Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim.
Se vós fósseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia.
Lembrai-vos da palavra que vos disse: Não é o servo maior do que o seu senhor. Se a mim me perseguiram, também vos perseguirão a vós; se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa.
Mas tudo isto vos farão por causa do meu nome, porque não conhecem aquele que me enviou.”
 

João 15.18-21

A morte os espreitava de perto. A maioria foi literalmente executada por seus inimigos, inclusive grandes lideranças da época.

“Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e inofensivos como as pombas.
Acautelai-vos, porém, dos homens; porque eles vos entregarão aos sinédrios, e vos açoitarão nas suas sinagogas...”
Mateus 10.16,17

Um dos apóstolos cuja morte está registrada nas Escrituras é Tiago (o irmão de João):

“E por aquele mesmo tempo o rei Herodes estendeu as mãos sobre alguns da igreja, para os maltratar;
E matou à espada Tiago, irmão de João.”
Atos 12.1,2

O outro seguidor de Cristo cujo fim consta na Bíblia é Judas Iscariotes, que traiu Cristo, influenciado pelo diabo. Enforcou-se, corroído pelo remorso:

“Então Judas, o que o traíra, vendo que fora condenado, trouxe, arrependido, as trinta moedas de prata aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos,
Dizendo: Pequei, traindo o sangue inocente. Eles, porém, disseram: Que nos importa? Isso é contigo.
E ele, atirando para o templo as moedas de prata, retirou-se e foi-se enforcar.”
Mateus 27.3-5

Quanto aos outros discípulos diretos de Jesus, e aos que não o conheceram pessoalmente, mas o seguiram fielmente, como Paulo, suas mortes são conhecidas mais devido à tradição que a registros históricos. Os dados são imprecisos, mas é o que de mais próximo encontramos hoje.

Pedro teria sido crucificado em Roma quando da perseguição do imperador Nero aos cristãos. Há a crença de que tenha sido crucificado de cabeça para baixo, e duas versões para o motivo. Conforme a primeira, foi a seu próprio pedido, por não se achar digno de morrer da mesma forma que seu Salvador. A segunda hipótese era a de que isso foi feito para humilhá-lo ainda mais. Teria morrido sufocado pelo próprio sangue.

André, segundo creem, foi amarrado a uma cruz em forma de “X” na Grécia, onde foi para pregar o Evangelho.

Tomé, o que só acreditou na ressurreição de Jesus após ver e tocar seus estigmas, tornou-se um dos mais ativos pregadores no leste da Síria. Teria sido morto na Índia por lanças de soldados locais.

Filipe teria sido executado por ordem de um nobre de Cartago (norte da África, então Ásia Menor), irado por sua esposa ter se convertido ao cristianismo por causa do apóstolo. Uns afirmam que foi preso e torturado até morrer, enquanto outros defendem que foi crucificado. Há ainda quem diga que foi crucificado e apedrejado na Frígia, na atual Turquia.

Mateus, o ex-publicano (coletor de impostos), teria sido apunhalado na Etiópia, segundo a tradição.

Dizem que Bartolomeu foi esfolado vivo e decapitado a mando do dirigente de Albanópolis, atual Derbent, na Rússia, onde ele teria chegado em trabalho de evangelização.

Tiago, filho de Alfeu, parente de Jesus e influente líder do cristianismo em Jerusalém, pode ter sido apedrejado na cidade logo após a morte do governador romano Pórcio Festo, no ano 62, segundo o historiador Flávio Josefo em sua famosa obra “Antiguidade Judaica”. A acusação para tal sentença seria a “violação da lei” dos judeus, alegada pelo sumo-sacerdote Ananus.

Simão, conforme dizem, foi morto a machadadas pela multidão instigada por sacerdotes pagãos e autoridades após negar sacrifício ao deus sol na Pérsia. Este também teria sido o destino de Judas Tadeu, na mesma ocasião.

Matias, que substituiu Judas Iscariotes (Atos 1.15-26), segundo a tradição, seguiu a pregar pela Síria com André. Teria sido executado numa fogueira.

Lucas, o médico, não conheceu Jesus pessoalmente, mas recolheu relatos dos apóstolos e escreveu o evangelho que leva seu nome em linguagem mais detalhada. A ele também é atribuída a autoria do livro de Atos. Teria sido enforcado em uma árvore na Grécia.

Paulo, ex-Saulo de Tarso, perseguidor de cristãos convertido em um dos maiores evangelistas da história, não conviveu com Cristo quando Ele habitou a Terra em carne, mas é até hoje considerado um grande apóstolo. Teria sido decapitado em Roma.

João, o apóstolo do Apocalipse, pode ter sido o único discípulo direto de Jesus que teve morte natural, atingindo idade bem avançada (por volta de 100 anos). Fugindo à perseguição do imperador romano Domiciano, refugiou-se na ilha de Patmos, na Grécia, onde teria tido as visões que resultaram no texto do último livro bíblico, o Apocalipse. Segundo o historiador Eusébio de Cesareia, teria morrido em Éfeso.

Embora descobrir como os apóstolos morreram seja de interesse geral e isso não possa ser comprovado (excetuando-se Judas Iscariotes e Tiago), é bem mais importante saber que todos estavam dispostos a dar suas vidas pela fé em Jesus Cristo, ainda que fossem forçados a negá-la. Mesmo Pedro, que negou a Jesus antes de sua crucificação, tornou-se um de seus maiores pregadores e nunca mais O negou, morrendo como legítimo cristão. Neste caso, o como é menos importante que o porquê.

Comentários

  • Suzy Melo - 25 de Janeiro de 2014 - 14h58

    Verdadeiros homens de Deus!!! que realmente amaram a Deus acima de tudo e de todos . O mundo esta precisando de homens como esses para defender a Cristo a todo tempo mostrando o verdadeiro evangelho!!!!- Suzy- Serva de Cristo da assembleia de Deus em Bayeux.PB...

    Responder ao comentário (4) (1)
  • amilton - 13 de Janeiro de 2014 - 22h11

    verdadeiros homens de Deus.

    Responder ao comentário (2) (0)
  • mario - 21 de Dezembro de 2013 - 14h49

    valentes e valorosos, crentes de verdade. nao tinham amor ao dinheiro, nem sede pelo poder como tantos que vimos hoje em dia. amavam a Deus acima de tudo,e atenderam o ide de Cristo. presb Mario, Assembleia de Deus Valentes de Betel, Sta Cruz do rio Pardo, Sp.

    Responder ao comentário (1) (0)
  • Cicero L. de Macedo - 17 de Dezembro de 2013 - 04h19

    Muito bacana! Forte!

    Responder ao comentário (2) (0)

Qual a sua opinião sobre essa matéria?
Lembramos que este espaço é reservado somente para comentários referentes à matéria em questão.
Somente comentários relevantes serão autorizados.
Pedidos de oração e orientação podem ser feitos na página do Pastor Online: www.universal.org/pastoronline.
Sugestões e reclamações podem ser enviados para redacao@universal.org.br.



Nossas Sugestões

Nossas sugestões

x
Próximo