USA
 

Ex-lutador de MMA é condenado à prisão perpétua após atacar ex-namorada

"Máquina de Guerra", como é conhecido, deve ficar ao menos 36 anos em regime fechado. Saiba como agir em caso de agressão

Jonathan Koppenhaver é lutador de MMA e tem em seu histórico profissional 14 lutas, sendo 9 vitórias. No início de sua carreira, Koppenhaver ganhou 5 de 6 lutas, sendo 4 delas por nocaute (3 no primeiro round) e uma por submissão (quando o lutador adversário pede para o juiz parar a luta para não se machucar mais). Esses números impressionantes renderam ao lutador o apelido de “War Machine”, que em português significa “Máquina de Guerra”.

Koppenhaver tinha uma carreira estável, tendo passado pelas duas maiores empresas organizadoras do mundo: UFC e Bellator. Entretanto, em 2014, uma tentativa de homicídio interrompeu essa carreira, quando ele tinha 31 anos de idade e excelente forma física.

Agressões repetitivas

“Máquina de Guerra” estava em um relacionamento conturbado com a atriz Christy Mack, famosa por participar de diversos filmes adultos nos Estados Unidos. De acordo com ela, os dois terim terminaram o namoro havia 3 meses quando, de madrugada, o lutador apareceu na casa dela sem avisar.

Koppenhaver encontrou a ex-namorada conversando com um amigo, ambos vestidos e desarmados, e isso foi o suficiente para despertar a ira dele.

“Sem sequer uma palavra, ele começou a bater no meu amigo; quando terminou, ele mandou meu amigo embora e voltou sua atenção para mim”, contou a atriz em seu Facebook, na semana da agressão. “Ele me fez tirar a roupa e tomar banho na frente dele, depois me arrastou para fora e bateu no meu rosto. Não tenho lembrança de quantas vezes eu apanhei, apenas sei o resultado da surra”.

As consequências foram 18 fraturas ao redor dos olhos, nariz quebrado em dois lugares, vários dentes perdidos e quebrados, uma costela fraturada e o fígado severamente afetado por um chute. Além de tudo isso, várias escoriações pelo corpo, incluindo machucados na perna que impossibilitaram a atriz de andar, e furos feitos por uma faca nas mãos e na cabeça. Se ela não tivesse sido muito forte, não estaria viva hoje.

“Ele saiu do quarto e foi à cozinha, onde eu podia ouvi-lo revirando minhas gavetas. Imaginando que ele estava procurando uma faca mais afiada para me matar, eu fugi pela porta dos fundos”, escreveu a atriz. “Saltei sobre o muro para o campo de golfe, atrás de minha casa, e corri pela vizinhança. Nua e com medo que ele fosse me alcançar, eu não parei de correr e bater nas portas. Finalmente, uma delas se abriu e fui levada ao hospital.”

Enquanto agredia Christy, Koppenhaver tentou estuprá-la, mas não conseguiu. Já no hospital, a atriz informou a seus seguidores nas redes sociais: “Ele me bateu muitas vezes antes, mas nunca tanto assim.”

Não corra o mesmo risco

Meses antes dessa agressão, Koppenhaver postou em seu Twitter, como se fosse uma piada, que havia acabado de estuprar a própria namorada. Na época, Christy saiu em sua defesa, dizendo que aquilo não havia ocorrido.

Após a tentativa de homicídio, porém, ela revelou a verdade: muitas vezes havia sido abusada sexualmente por ele e espancada.

Infelizmente, por medo, muitas mulheres deixam de denunciar seus companheiros pelas agressões cometidas. O maior problema disso é que, cada vez que a agressão acontece impunemente, o agressor aumenta a violência, conforme explica a escritora Cristiane Cardoso, autora do livro “Casamento Blindado":

“Você tem que entender o seguinte: ele não vai parar porque ele não vê que isso é um problema. Eu creio que ele até se sinta mal, mas ele já está começando a se acostumar com isso”.

Quando o primeiro caso de violência dentro de casa acontece e a mulher perdoa sem fazê-lo assumir as consequências de seus atos, um padrão se forma.

“Se você está casada com uma pessoa que não tem controle de si mesma, é sua responsabilidade fazer alguma coisa a respeito. Se você ficar esperando essa pessoa mudar, ter uma transformação na vida dela da noite para o dia, então, você está dependendo dela para ter segurança. Você estará sempre vulnerável nesse relacionamento. Ele pensa assim: ‘Eu posso bater porque ela vai continuar lá comigo’”, alerta Cristiane.

O que fazer

Uma pessoa que não tem controle sobre as próprias atitudes pode, sim, chegar ao homicídio. O que se deve fazer em caso de agressão é, imediatamente, procurar ajuda na polícia.

“Você não pode guardar para si o que ele está fazendo. Você tem que reportar para um familiar ou uma pessoa mais próxima que possa lhe abrigar, lhe ajudar. E, então, você tem que reportar às autoridades. Porque ele tem que responder diante da lei pelo que está fazendo”, afirma o escritor Renato Cardoso.

Quando Christy relatou à polícia a agressão mais severa, o “Máquina de Guerra” fugiu. Pouco depois, porém, foi preso. No último dia 5, ele foi sentenciado à prisão perpétua por 29 crimes, incluindo tentativa de homicídio, tortura, sequestro e estupro. O lutador poderá pedir liberdade condicional após cumprir 36 anos em regime fechado.

A punição deve ser aplicada a todos os agressores. Por isso, procure a delegacia ou ligue para 180.

O Projeto Raabe, da Universal, também trabalha oferecendo apoio a mulheres vítimas de violência. Nele é oferecido apoio jurídico e espiritual. Clique aqui e veja como entrar em contato com o grupo hoje mesmo.

Comentários

Lembramos que este espaço é reservado somente para comentários referentes à matéria em questão. Somente comentários relevantes serão autorizados. Pedidos de oração e orientação podem ser feitos na página do Pastor Online: www.universal.org/pastoronline. Sugestões e reclamações podem ser enviados para redacao@sp.universal.org.br.

Nossas Sugestões

Nossas sugestões

x
Anterior Próximo