USA
 

Halloween: o que essa festa, que virou mania no Brasil, esconde?

Descubra por que a data pode ser, na verdade, uma amarga travessura

Nesta sexta-feira, 31 de outubro, é bem provável que você ouça, em algum momento do dia ou até na porta de casa, a seguinte pergunta: “Doces ou travessuras?” A ameaça, vinda de crianças fantasiadas que teoricamente estão brincando, disfarça o verdadeiro significado do Halloween, uma festa pagã adaptada a várias culturas e que vem crescendo perigosamente no Brasil.

A suposta festa nada tem a ver com a cultura brasileira, mas ganha força por aqui, onde também carrega o nome de Dia das Bruxas, graças ao apelo comercial ou ao hábito de imitar estrangeiros. Pior do que a suposta celebração é o que vem por trás da data, que representa o culto a mortos e seres sobrenaturais.

O surgimento do Halloween tem várias versões e começou a se relacionar com bruxas ou fantasmas há mais de 2,5 mil anos, quando o povo celta, que deu origem a várias nações europeias, passou a realizar anualmente um festejo para marcar o fim do verão e início do outono no hemisfério Norte.

Celebração aos mortos

Era o fim do período de plantações e colheitas, o que significava o início de dificuldades, em razão do frio. Já não fazia sentido comemorar nada na data, mas membros de classes dominantes dos celtas associaram as dificuldades a mortes e passaram também a usar a festa para cultuar os antepassados, em uma celebração aos mortos, que eles acreditavam voltar nesta noite para visitar seus familiares. Diante da inventada “visita”, o povo começou a preparar artefatos para espantar os mortos ou então recebê-los bem.

Já na Idade Média, a Igreja Católica tentou se apropriar da festa ao transferir o chamado Dia de Todos os Santos para 1º de novembro, com a intenção de no dia anterior chamar a população para uma vigília de preparação para a festa, estabelecendo 31 de outubro como o dia do Halloween. Essa vigília também foi chamada de Caças às Bruxas, pois nesta noite a Igreja Católica perseguia até a morte quem festejasse a data, que passou a ser feita às escondidas e não parou de crescer e ser reinventada nas várias culturas pelas quais foi apresentada.

Doces ou travessuras?

Nos tempos atuais, o Halloween tem ares de brincadeira e ficou extremamente comercial, gerando muito lucro a empresários do setor de fantasias. Mas, por trás dessa festa há um perigoso significado, por ser uma celebração para enaltecer bruxas, zumbis, caveiras e monstros por meio de bailes e festas à fantasia e até rituais para as pessoas entrarem em contato com mortos.

Para piorar, essa celebração tenta impor uma tradição nas crianças, que saem pelas ruas pedindo doces de porta em porta e ameaçando as pessoas, e em troca podem até receber doces e guloseimas consagrados a espíritos malignos como se isso fosse brincadeira. Além do risco em relação a esses doces, as crianças ainda aprendem a fazer arruaça caso não recebam esses doces. Uma aula nada educativa logo no início da vida.

Pense bem em tudo isso, principalmente se você tem filhos.

Comentários

Lembramos que este espaço é reservado somente para comentários referentes à matéria em questão. Somente comentários relevantes serão autorizados. Pedidos de oração e orientação podem ser feitos na página do Pastor Online: www.universal.org/pastoronline. Sugestões e reclamações podem ser enviados para redacao@sp.universal.org.br.

Nossas Sugestões

Nossas sugestões

x
Próximo